Fundos de previdência: o que são e por que investir?

Por Redação Onze

Fundos de previdência

O principal critério dos investidores conservadores na hora de investir é a segurança do seu dinheiro. Eles jogam o jogo das finanças pensando lá na frente, ao invés de rendimentos imediatos e arriscados. Por isso, os fundos de previdência são uma das melhores alternativas para esse perfil de investidor.

Os fundos de previdência são como outros fundos de investimento da renda fixa, mas se caracterizam por usar os juros compostos para multiplicar os seus ganhos ao longo do tempo. Principalmente por quem faz aportes contínuos nessa modalidade de investimentos.

Mas é na hora do resgate que esse tipo de investimento se difere dos demais. Além de resgatar o valor completo, você também pode optar por receber um salário mensal vitalício.

Quer entender como os fundos de previdência funcionam e se eles são a opção ideal para a sua aposentadoria? Então confira abaixo tudo o que você precisa saber sobre o assunto!

Quais são os tipos de fundos de previdência?

Os fundos se dividem em dois tipos distintos, que são definidos pela maneira como você declara o seu Imposto de Renda. Saiba mais sobre cada um nas próximas linhas.

O que é PGBL?

O PGBL é o fundo ideal para quem faz o modelo completo da declaração do IR. Ele permite adiar o pagamento desse imposto. Além disso, você pode deduzir os valores depositados na previdência da base de cálculo do tributo, em até 12% de sua renda anual.

Nesse modelo, o desconto do IR é feito com base na remuneração mensal que receberá após o vencimento do plano, ao invés do montante acumulado.

Quando é melhor optar pelo PGBL? Quando suas despesas dedutíveis mais sua contribuição para o INSS e o quanto pode investir – lembrando do limite de 12% citado acima – ultrapassarem o valor anual de R$ 16.754,34

O que é VGBL?

Já o VGBL é o tipo de previdência para quem declara o IR no modelo simplificado. Nele, não há limite para o quanto você pode contribuir. Ou seja, você pode contribuir mais de 12% da sua renda anual e, consequentemente, ter um benefício proporcional a ela.

Também vale lembrar que a alíquota é cobrada apenas sobre os rendimentos dos seus fundos de previdência.

Como os fundos de previdência são tributados?

Assim como existem dois tipos de previdência privada, também são duas as maneiras como esse tipo de investimento é tributado. Conheça cada uma delas logo abaixo.

Progressiva

Semelhante à tabela que incide sobre salários dos contribuintes. Ou seja, ela dependerá do valor do benefício ou de quanto irá resgatar ao final do prazo. Vale mencionar que esse valor é somado à sua renda total no cálculo do imposto.

Regressiva

Funciona de maneira parecida à tabela regressiva do IR para investimentos em títulos do Tesouro Direto, mas usa outros parâmetros para o cálculo. Quanto mais tempo você investe nos fundos de previdência, menor será a alíquota.

Quais são os tipos de remuneração?

Você pode ser remunerado de diversas maneiras na previdência privada. Elas são feitas de acordo com o seu perfil de investidor, que pode ser conservador, moderado ou agressivo.

Na lista abaixo, você conhecerá um pouco sobre cada uma e para qual tipo de perfil ela é a mais indicada. Confira abaixo!

  • Renda fixa pós-fixada os fundos de previdência que aplicam seu dinheiro em renda fixa pós-fixada costumam investir em títulos do Tesouro Direto atrelados a algum indexador econômico, como o CDI;
  • Renda fixa prefixada/inflação semelhante à anterior, mas os títulos de renda fixa prefixada tem juros claros, permitindo calcular o quanto receberá ao final do período.

Os fundos de previdência que apostam no prefixado também podem diversificar com títulos como o Tesouro IPCA+, que acompanha a inflação e acresce juros, garantindo a rentabilidade. Ambas as opções são ideais para investidores conservadores;

  • Multimercados macro mais diversificados, os fundos que operam no multimercado costumam considerar investimentos de médio e longo prazo. Por isso, podem contar tanto com títulos de renda fixa quanto ações ou derivativos, entre outros.

Por conta da versatilidade, os fundos de previdência com multimercados macro são mais indicados para investidores moderados;

Ações: esse é o fundo mais indicado para quem tem uma abordagem mais agressiva. Fundos de previdência com esse tipo de remuneração são constituídos por ações da Bolsa de Valores, além de contar com um gestor especializado nos investimentos em ações.

Quais são as vantagens dos fundos de previdência?

Considerando tudo o que falamos até aqui, existem algumas vantagens em investir nos fundos de previdência. A primeira delas é a melhor alíquota em relação aos outros investimentos, de apenas 10% ao investir por mais de 10 anos. Além disso, você terá abatimento no Imposto de Renda no modelo PGBL.

Além disso, você também tem a liberdade de transferir sua previdência privada para outro fundo, caso não esteja satisfeito com os resultados do que está no momento. Não precisará pagar IR, resgatar e muito menos reinvestir seu dinheiro para efetuar essa troca.

Como mencionamos no início do artigo, você terá a opção de resgatar o montante completo do investimento para usar como preferir ou receber um benefício mensal e vitalício, calculado de acordo com as suas contribuições.

A última vantagem são as diferentes modalidades de tributação, que podem ser tanto pelo tempo de investimento quanto pelo valor do benefício a ser resgatado.

E quais as desvantagens?

Todo investimento tem suas desvantagens, e com os fundos de previdência não é diferente. Um problema de alguns fundos é a baixíssima rentabilidade, muitas vezes abaixo da inflação.

Ou seja, pensa que estará juntando dinheiro para a aposentadoria, mas na verdade estará perdendo. Isso acontece devido a dois fatores. Um deles é a má gestão. O segundo é pela cobrança de taxas abusivas para a administração do fundo.

Se você está se vendo nessa situação, não tenha medo e troque de fundo o mais rápido possível!

Por fim, a desvantagem inerente a todos os fundos de previdência é a baixa liquidez. O que isso significa? Que é difícil e muitas vezes oneroso resgatar o dinheiro que investiu antes do prazo de vencimento.

Por outro lado, vale considerar que os fundos de previdência têm como objetivo a aposentadoria. Não a criação de uma reserva de emergência, onde pode sacar a todo o momento. Por isso, faz sentido que a previdência privada não tenha liquidez diária.

Quer saber mais sobre fundos de previdência? Então acesse o site da Onze e confira nossos artigos sobre o assunto.