Vantagens da previdência corporativa para o funcionário

Por Redação Onze

previdencia corporativa para funcionarios

Existem diversas vantagens da previdência corporativa para funcionários de uma empresa.
Além de ser um investimento que pode gerar bons retornos, e até mesmo ser imbatível, a previdência corporativa permite ainda pagar menos impostos, cria segurança financeira e incentiva a poupar.
É por esse e outros motivos que a previdência privada corporativa costuma figurar entre a segunda e a
terceira posição entre os benefícios mais bem percebidos pelos colaboradores, segundo pesquisa da
consultoria de recursos humanos Page Talent.

Além dos tradicionais PGBLs e VGBLs (cuja recomendação varia de acordo com o modelo de declaração
do Imposto de Renda feito pelo colaborador), os colaboradores podem escolher entre planos de
previdência privada com e sem “match”, e com ou menos diversificação de ativos, de acordo com o seu
perfil de risco.

Quer saber por que o “match” diferencia um plano de previdência corporativo e por que a aplicação é
um bom investimento para o colaborador, com ou sem o “match”? Acompanhe no post!

Previdência privada com “match” é imbatível

Um plano de previdência privada corporativo com “match” caracteriza, no jargão de mercado, um
benefício no qual a empresa opta por dividir o pagamento da contribuição mensal com o funcionário.

Caso o funcionário opte por contribuir mensalmente com 100 reais para o plano de previdência
corporativo, a empresa contribuirá com igual valor: 100 reais. Se a empresa assim desejar, o valor do
“match” pode ser até maior do que a contribuição dada pelo funcionário, equivalente a 150% da
contribuição dada pelo colaborador.

Essa característica faz com que o plano de previdência corporativo com “match” seja considerado um
investimento imbatível para o funcionário.

Basta pensar assim: caso a empresa pague uma contribuição igual à parcela mensal paga pelo
funcionário, o rendimento do plano será de 100%, ainda que o fundo não tenha qualquer retorno. Esse
rendimento nunca foi tão atrativo em tempos de Selic na mínima histórica, cenário no qual é difícil obter
grandes rendimentos correndo poucos riscos.

O “match” é um grande benefício para o trabalhador e não representa necessariamente um alto custo
para a empresa.

Caso o “match” seja equivalente a 5% do salário bruto do colaborador, a oneração equivale a um
aumento de 2,6% na folha de pagamento caso a taxa de adesão dos funcionários gire ao redor de 80%.
Esse cálculo já considera uma alíquota de 34% para impostos.

Além disso, é possível personalizá-lo, de forma a fazer com que o “match” seja mais adequado ao
orçamento da empresa.

O empregador pode colocar um teto para a contribuição do empregador. Ele pode ser equivalente a 1%
do salário, por exemplo. Nesse caso, o funcionário fica livre para aumentar a parcela, caso queira.
Contudo, o “match” da empresa permanecerá o do teto.

O empresário define ainda as regras de “vesting” do plano, que são as condições para o resgate da parte
depositado no plano pelo empregador.

São essas condições que vão definir uma política eficaz de retenção de talentos e também atuar como
um limitador à oneração da folha de pagamento causada pelo benefício. Caso o funcionário saia antes
do tempo, a parte patrocinada pela empresa é devolvida. Ou seja, ao longo dos anos a empresa pode
receber parte do que contribuiu.

Para carregar a contribuição feita pela empresa para outro plano corporativo, quando o funcionário
muda de emprego, existem condições definidas pelo empregador. Geralmente, é necessário ficar um
tempo mínimo na empresa para conseguir retirar um valor relevante da parte da contribuição que é
patrocinada.

Por exemplo, caso deixe a empresa em três anos, o empregador pode permitir que o funcionário retire
apenas 30% do que foi depositado por ela no plano. Depois de cinco anos, pode permitir que retire
100% das contribuições patrocinadas. A regra muda de acordo com a vontade do empresário.

Mesmo sem match, plano corporativo é atrativo

A previdência privada vem sendo tachada de um investimento “caro”, que perde para outros tipos de
aplicações financeiras mais conservadoras. Mas o fato é que planos diversificados, que não invistam
apenas em ativos de renda fixa, mas também tenham posições em juros e opções, por exemplo, podem

dar bons retornos aos investidores, similares aos de fundos multimercados, ainda que não ofereçam o
“match” da empresa.

Considerando uma taxa Selic de 5% no longo prazo, um plano de previdência diversificado com
contribuição mensal de 1 mil reais pode render 66% mais do que a poupança em um horizonte de 30
anos.

Portanto, nessa simulação, enquanto na poupança o beneficiário receberá R$ 688.504,00 ao final desse
período, na previdência privada esse valor pode subir para R$ 1,1 milhão.

Isso porque na previdência privada é possível reinvestir a parcela do plano que é deduzida do Imposto
de Renda, o que impulsiona o efeito dos juros sobre juros ao longo do tempo. É permitido deduzir até
12% dos rendimentos tributáveis quando a contribuição for para um plano de previdência privada do
tipo PGBL.

Existem vantagens ainda sobre os fundos multimercados: o plano de previdência corporativo não sofre o
efeito do come-cotas.

Veja abaixo os principais benefícios do plano de previdência corporativa para o trabalhador:

Ausência de come-cotas

Entre os benefícios do plano de previdência corporativo está a ausência de come-cotas. O mecanismo,
presente em fundos de investimentos de renda fixa, cambiais e multimercados, tem como objetivo
antecipar o Imposto de Renda pago na aplicação.

Essa cobrança semestral interfere no rendimento do investimento, pois a cada momento em que há
cobrança do come-cotas a cota do fundo é desvalorizada. Portanto, o rendimento sobre o saldo fica
menor.

Nos fundos de previdência privada a cobrança do imposto de renda é realizada no momento do resgate
ou quando o colaborador recebe o benefício.

Pagamento de menos impostos

A previdência privada tem um benefício fiscal, que é a redução do IR pago pelo cotista, já que as
aplicações feitas nesses fundos são dedutíveis de imposto.

Essa vantagem será maior quanto maior for a faixa na qual o contribuinte se enquadra no Imposto de
Renda. Portanto, a economia nas faixas mais altas tende a ser relevante.

Portabilidade

A possibilidade de portabilidade do plano de previdência privada para outra instituição financeira
também é um benefício do plano de previdência corporativo. Caso o funcionário saia da empresa, pode
mudar de plano de previdência, caso assim deseje, para outro.

Contudo, existem regras para realizar a portabilidade que impedem que o efeito de retenção de talentos
seja limitado. O movimento somente pode ser feito apenas após três anos a partir da data de
contratação do plano. Nessa transferência não é necessário pagar impostos sobre a aplicação.

Incentivo a poupar

O plano de previdência corporativo também incentiva a acumulação. As contribuições são descontadas
automaticamente do salário. As contribuições ao plano também são reajustadas automaticamente em
caso de aumento de salário.

Ferramenta na herança

Outra vantagem do plano de previdência é que o investimento também pode ser usado como um
instrumento de sucessão pelo beneficiário. Isso porque os recursos acumulados no fundo não passam
por inventário em caso de morte do titular.

Ou seja, a previdência privada permite que herdeiros se sustentem até que a divisão da herança seja
concluída, o que costuma ser um processo judicial longo. Para isso, basta que o titular indique os
beneficiários em caso de falecimento.

Como não entram no inventário, essa modalidade de fundo não paga o Imposto de Transmissão Causa
Mortis e Doação (ITCMD) em alguns estados.

Qual o impacto de taxas reduzidas na Previdência do funcionário?

A Onze investimentos é uma gestora independente, regulada pela CVM e Anbima, que oferece fundos
de previdência para grandes e médias empresas.

A diferença de um fundo de previdência distribuído pela gestora e um fundo multimercado são as taxas
cobradas.

Enquanto em bancos e seguradoras é possível encontrar taxas de administração cobradas a
colaboradores equivalentes a 3% ao ano, na Onze ela é menor do que 1%. A taxa é cobrada dos
funcionários, e não do empregador, que apenas opta por contribuir com o “match” ou não.
Isso é possível devido ao investimento em tecnologia realizado pela empresa, que traz eficiência ao
negócio. Todo o apoio aos clientes é dado por meio de uma plataforma eletrônica, que desburocratiza
processos.

Por meio dela a equipe de recursos humanos pode acompanhar, em tempo real, modificações e
entradas de funcionários no plano, conseguindo, dessa forma, prever o quanto a folha de pagamento
será onerada no próximo mês, de forma rápida.

Os funcionários que optam pela adesão ao plano também podem acompanhar extratos, rentabilidades e
projeções do plano a qualquer momento. A plataforma também dá suporte para a declaração do
Imposto de Renda. Para isso, basta que o colaborador acesse o aplicativo.

Um diferencial da Onze é entregar educação financeira aos funcionários dos clientes, disponibilizando
consultores pessoais para diagnosticar a saúde financeira dos colaboradores. É possível realizar um
check-up regular do orçamento pessoal dos funcionários. As consultas são feitas de forma virtual, pelo
próprio aplicativo, de forma individualizada.

Isso porque, para a gestora, não adianta que os colaboradores apliquem no plano de previdência, mas
sua situação financeira esteja ruim. Essa situação limita o efeito da adesão à aplicação na produtividade
do funcionário, que é uma das principais vantagens do benefício.