Qual a diferença entre Corretora e Gestora?

Por admin

Corretora e Gestora

Certamente, investir dinheiro no mercado financeiro pode gerar várias dúvidas até nos mais experientes. Mas, se você está começando a estudar os seus primeiros investimentos, uma das perguntas que surgem é qual a diferença entre Corretora e Gestora.

Apesar de ambas serem instituições que trabalham com investimentos, cada uma delas tem suas próprias atribuições, que vão além do gerenciamento de recursos.

Assim, ao entender qual a diferença entre Corretora e Gestora, o investidor poderá tomar a melhor decisão na hora de escolher qual a melhor forma de gerenciar o seu dinheiro.

Se você também tem essa dúvida, acompanhe este artigo para entender como cada uma funciona e qual a melhor opção para o seu investimento.

Quais as funções de uma Gestora?

A gestora de investimentos é um serviço que trabalha com recomendação para alocação de recursos e também o monitoramento de carteiras. Assim, a gestora faz a aplicação do seu dinheiro de acordo com o seu perfil.

Com isso, o investidor pode esperar que uma boa gestora faça a melhor recomendação para os recursos. Afinal, aqui se tem um dos papéis mais importantes da gestão de investimento, que é a proteção do patrimônio.

Exigências para atuação

As gestoras de investimento necessitam da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para poder atuar. Todas as normas e critérios que são avaliados para a atuação estão descritas na Instrução CVM 558.

Após isso, as gestoras devem cumprir exigências como prestar informações técnicas, apresentação de dados de todos os profissionais da área e a qualificação dos responsáveis pela gestão dos recursos.

Assim, os investidores têm mais segurança na hora de destinar o seu dinheiro para a gestora.

Quais as funções de uma Corretora?

A corretora de valores é uma instituição financeira na qual o investidor tem acesso a vários tipos de produtos, como Tesouro Direto, Fundos, Ações, entre outros.

Voltada para o investimento, a corretora atua principalmente como uma intermediária na compra e venda de ativos financeiros. Em outras palavras, são uma ligação entre os investidores e a Bolsa de Valores.

Assim, a corretora de valores atua na compra e venda de ações, oferecendo títulos públicos federais – por meio do Tesouro Direto –  e títulos de crédito privados, como CDB, LCI e LCA.

Além disso, as corretoras também oferecem cotas de fundos de investimento e várias outras opções. E para isso, uma equipe de economistas avalia quais são as perspectivas do mercado.

Essas instituições negociam os papéis das empresas na Bolsa de Valores e conjuntura econômica. Com isso, materiais informativos são produzidos, com orientações repassadas aos investidores, que poderão tomar a melhor decisão.

O que esperar de uma boa corretora?

Por trabalhar com a compra e venda de ações, espera-se que uma boa corretora possa informar aos investidores quais as melhores épocas e condições de agir. Com um investimento bem feito, as chances de perder dinheiro são bem menores.

Exigências para atuação

As exigências para as corretoras fazerem suas ações é, em prioridade, ter uma autorização do Banco Central. E a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), fiscaliza os trabalhos realizados. As corretoras podem ser ligadas a um banco ou independentes.

Como escolher a melhor opção?

Agora que você já sabe qual a diferença entre corretora e gestora, deve fazer uma avaliação sobre qual delas se encaixa em seu estilo de investidor e a realidade de seu cotidiano.

As corretoras e gestoras atuam de forma diferente. Na corretora, você é o responsável por gerenciar toda a aplicação, enquanto a gestora disponibiliza um assessor que lhe repassa as informações necessárias.

Custos cobrados pela Corretora de Investimentos

Por exemplo, se o investidor usa a corretora e aplica R$ 500 no Tesouro Direto, R$ 600 em um LCI e R$ 1.000 em ações da AmBev, ele decide quais serão o destino e forma em que o dinheiro será aplicado.

A corretora geralmente cobra uma taxa de corretagem, que nada mais é do que um valor cobrado pela empresa para realizar o intermédio nas operações de compra e venda de investimentos.

Mas é importante ficar atento porque, quanto maior for o custo da corretagem, maior será o impacto sobre a rentabilidade do investidor. Ou seja, procure corretoras com menores taxas se quiser fazer investimentos mais econômicos.

Essas taxas variam de acordo com o tipo de operação solicitada pelo cliente e o mercado em que se negocia, como o mercado à vista, derivativos ou futuro, por exemplo.

As principais taxas cobradas são:

  • Tabela Bovespa: para investidores que usam a mesa de operações.
  • Taxa de custódia: registrar e guardar os investimentos em um CPF.
  • ISS: Imposto sobre Serviços em cada Estado.
  • Emolumentos: referente à liquidação dos investimentos.
  • IOF
  • Imposto de Renda.

Custos cobrados pela Gestora de Investimentos

Por outro lado, quando se transfere o dinheiro à uma gestora, o seu investimento é gerenciado pelo seu assessor, de acordo com o perfil do cliente e os seus objetivos com o investimento. Assim, por exemplo, a gestora pode aplicar R$ 900 em CDB de 3 anos, R$ 800 LCI de 2 anos e R$ 400 em ações do Itaú. Nesse caso, o investidor não pode escolher a porcentagem de cada aplicação.

O valor pago à gestora vai depender do investimento escolhido pelo cliente e quais serão os seus ganhos. Por isso, pode ser cobrada uma taxa relativa ao valor investido ou a taxa de performance, uma comissão sobre os ganhos obtidos.

Além disso, também há a incidência de outras taxas:

  • Taxa de administração.
  • Taxa de performance.
  • Taxa de entrada e saída.
  • Despesas operacionais.
  • Impostos

Corretora e Gestora: vantagens e desvantagens

Além de entender a diferença entre a forma de atuação entre corretoras e gestoras de investimentos financeiros, é importante conhecer as principais vantagens e desvantagens que cada uma das empresas oferece:

Vantagens da gestora

  • Qualidade de gestão.
  • Ausência de trabalho do investidor.
  • Variedade de produtos financeiros.

Desvantagens da gestora

  • Investidor não decide como aplicar o dinheiro.
  • Necessita de maior confiança.

Vantagens da corretora

  • Taxas atrativas.
  • Facilidade de investimento.
  • Orientação de especialistas.
  • Grande rentabilidade.

Desvantagens da corretora

  • Necessita de maior conhecimento no mercado financeiro.
  • Sem orientação ao

Ainda, se você deseja começar no mundo dos investimentos, verifique inicialmente:

  • Onde o dinheiro é aplicado.
  • Procure conhecer as empresas.
  • Quais as taxas que você pagará.
  • Tipos de investimentos .

Seja qual for a diferença entre corretora e gestora que determine a sua escolha, saiba que as duas empresas garantem ao investidor maior segurança para as suas aplicações. Pois, apesar de distintas, ambas seguem normas criteriosas para atuarem no mercado financeiro.

Gostou do artigo? Confira outros conteúdos da Onze.