Como investir em LTN – Letras do Tesouro Nacional

Por admin

O Tesouro Direto é um investimento pelo qual você realiza um empréstimo ao governo e faz o resgate dentro de um prazo. Existem três tipos de investimento nessa categoria, de acordo com suas taxas: a prefixada, a pós-fixada e a indexada à inflação. As LTN – Letras do Tesouro Nacional – são as chamadas letras prefixadas. As LFT – Letras Financeiras do Tesouro – são as pós-fixadas, indexadas à taxa Selic. Já as NTN-B – Notas do Tesouro Nacional série B – são as indexadas à inflação.

Neste post, vamos abordar as LTN – Letras do Tesouro Nacional, a mais conservadora das três opções, já que o investidor conhece exatamente a rentabilidade a ser resgatada na data do vencimento. Assim, o pagamento ocorre em uma única parcela, nesta data. 

Principais diferenças entre as LTN, LFT e NTN-B 

LTN – Letras do Tesouro Nacional 

As LTN – Letras do Tesouro Nacional – são títulos com uma rentabilidade fixa, definida no momento da compra. Com a taxa prefixada, o investidor sabe quanto vai ganhar na data do vencimento. Esse investimento será melhor que os demais títulos do Tesouro Direto se os juros forem maiores que a taxa básica (Selic) ou que a taxa de inflação (IPC-A ou IGP-M) naquele prazo. 

LFT – Letras Financeiras do Tesouro 

As LFT – Letras Financeiras do Tesouro – são títulos cuja rentabilidade está atrelada à taxa Selic, e por isso esse investimento é também chamado de Tesouro Selic. O retorno é sempre equivalente à taxa Selic, e por isso, as LFT podem ser comparadas a, por exemplo, um CDB que pague 100% do CDI. É um investimento com baixa volatilidade, portanto resgates antes do prazo não causam perdas.

NTN-B – Notas do Tesouro Nacional série B

 

As Notas do Tesouro Nacional série B são títulos híbridos. Uma parte da taxa de rentabilidade das NTN-B são atreladas ao IPCA, que é basicamente a taxa da inflação, ou seja, variável. A outra parte é fixa. Como o IPCA é flutuante, haverá momentos de maiores e menores ganhos.  

Diferenças entre tesouro Pré e Pós-fixado

 No curto prazo, o tesouro prefixado (LTN) tende a se equivaler ao tesouro pós-fixado (LFT). Ou seja, se você investir no tesouro direto para retirar seus rendimentos dentro de um ano, por exemplo, tanto o tesouro prefixado quanto o pós-fixado ou mesmo o híbrido (NTN-B) terão basicamente a mesma rentabilidade, salvo algumas diferenças mínimas. Isso porque o tesouro direto é um investimento de baixíssimo risco.

Já no longo prazo, a variação é maior, principalmente para o tesouro híbrido e o prefixado. Se o governo, por exemplo, tiver necessidade de arrecadar mais dinheiro para investimentos, provavelmente oferecerá uma maior rentabilidade em investimentos de longo prazo. Assim, as pessoas mantêm o capital com o governo por mais tempo. Já o tesouro pós-fixado terá sempre o rendimento da taxa Selic, sem possibilidade de mudanças e, portanto, não terá essa rentabilidade em longo prazo – é, portanto, o modelo mais conservador entre os três. 

Taxas que incidem nas LTN

 Em todos os títulos do tesouro direto, sejam eles pré, pós-fixados ou híbridos, incide a taxa de custódia, que serve para manter a plataforma funcionando. Em 2019, o governo anunciou a queda desta taxa de 0,3% para 0,25% por ano, o que atraiu mais investidores. Além disso, para resgatar o investimento antes de 30 dias, incidirá o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Outra taxa das LTN – Letras do Tesouro Nacional -, LFT e NTN-B é o IR, que será menor quanto mais longo for o prazo do título, na seguinte ordem: 

  • Aplicações com prazo de 180 dias: 22,5%
  • Aplicações com prazo de 181 a 360 dias: 20,0%
  • Aplicações com prazo de 361 a 720 dias: 17,5%
  • Aplicações com prazo superior a 721 dias: 15%

O Tesouro Direto é bastante seguro, pois há um risco muito pequeno de o governo não pagar esses títulos. Além disso, investimentos de até R$ 250.000 são segurados pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Como investir nas LTN – Letras do Tesouro Nacional

Para investir no tesouro direto, seja qualquer modalidade, é preciso:

  1. Realizar um cadastro junto a um banco ou corretora habilitada, como a ONZE.
  2. Transferir o dinheiro de uma conta bancária à conta da instituição cadastrada.
  3. Agora, é só começar a investir. Isso pode ser feito pela plataforma da instituição na qual você fez o cadastro, ou diretamente pelo portal ou aplicativo oficial do Tesouro Direto.
  4. Pronto, você já é um investidor do tesouro!

Poupança ou LTN?

A poupança é, atualmente, o investimento de renda fixa menos rentável do Brasil. No entanto, como é uma aplicação fácil, bastando ter uma conta corrente em qualquer banco, ainda é a preferida dos brasileiros. Em termos comparativos com as LTN, a poupança tem um menor rendimento, mas pode ser resgatada a qualquer momento, sem grandes perdas. Já as LTN possuem um vencimento estipulado, e quanto mais longe for esta data, maiores os rendimentos (o que não acontece com a poupança, cujos rendimentos são os mesmos durante todo o tempo).

Além disso, a poupança não possui taxas de custódia, IOF ou IR, o que é uma vantagem. No entanto, em longo prazo, as LTN são muito mais rentáveis, mesmo contando com as taxas. A poupança não é tanto um investimento, mas um dinheiro guardado para situações de emergência. Assim, você tem algum capital e pode ficar sem ele durante um período mais longo (mais de três anos, por exemplo), aposte nas LTN.