Reunião Copom: o que é, quando ocorre e como funciona

Por admin

A reunião do Copom é um tópico importante nas rodas de conversas dos investidores.

Mas você sabe exatamente o que é esse encontro do Comitê de Política Monetária do Banco Central e qual é a sua importância para o mercado financeiro?

Neste artigo, vamos tirar todas as suas dúvidas sobre o tema: quem participa da reunião do Copom, o que ela decide e como essas definições impactam a economia brasileira.

Por isso, se você quer tomar melhores decisões de investimento e ficar tranquilo sobre a alocação do seu patrimônio, continue a leitura.

O que é a reunião do Copom

A reunião do Copom é um encontro periódico do Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil, que define a meta da Taxa Selic (taxa básica de juros da economia).

Essa definição é um dos pilares da economia, porque tem o objetivo primordial de manter a inflação em linha com a meta estipulada pelo Conselho Monetário Nacional.

Para o investidor, a reunião do Copom e a definição da meta da Selic influenciam muito nas decisões financeiras, já que essa taxa básica serve como parâmetro para toda a renda fixa nacional.

O Copom tem oito reuniões por ano e é, sem dúvida, um dos eventos mais aguardados pelos investidores de ações.

As reuniões ocorrem em intervalos de 45 dias e duram dois dias.

Pode haver exceções: o Presidente do Banco Central tem o poder de convocar uma reunião extraordinária, em caso de alterações bruscas e de grande relevância no cenário macroeconômico.

A próxima reunião do Copom pode ser conferida no site do próprio Banco Central, que traz os futuros eventos do órgão.

O que decide a reunião do Copom

Como você viu acima, a principal decisão da reunião do Copom é a definição da meta da taxa Selic, que dá sustentação para os juros de toda a nossa economia.

Na prática, parece simples: se a inflação projetada está alta, o Copom tende a elevar a meta da taxa Selic.

Se a inflação se encontra abaixo da meta, o Copom tende a reduzir a taxa de juros.

Há outros fatores envolvidos, como riscos macroeconômicos globais, mas essa simplificação ajuda a entender a lógica da reunião.

E o que a taxa de juros tem a ver com a inflação?

Tudo.

Quando a Selic é reduzida, o custo do crédito no mercado tende a cair, ou seja, fica mais barato tomar um empréstimo ou financiamento.

Com melhores condições de crédito, há maior movimentação na economia.

E, simplificando novamente, quando há excesso de demanda, surge a inflação (medida por índices como o IPCA, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que é a elevação dos preços do mercado.

A inflação elevada é uma inimiga do poder de compra, já que o dinheiro rende menos a cada mês.

Para controlar a inflação, portanto, a reunião do Copom analisa os dados da economia e define uma taxa de juros para proteger a moeda e, no fim das contas, a população.

O investidor principiante pode até não compreender toda essa dinâmica em detalhes, mas deve ficar atento aos movimentos do Copom.

Na renda fixa, a Selic tem impacto direto.

A rentabilidade dos títulos depende muito da taxa de juros da economia.

Os pós-fixados pagam um percentual do CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que segue de perto a Selic, ou seja, são impactados imediatamente pela reunião do Copom.

Os prefixados e híbridos também dependem da Selic, já que os títulos públicos são a base do sistema financeiro.

E na renda variável, também há influência da reunião do Copom.

Vale salientar um aspecto para ilustrar: muitas ações listadas na bolsa de valores são de empresas que tomam crédito para financiar sua expansão, isto é, dependem diretamente da taxa de juros.

Quando é a reunião do Copom

As reuniões ordinárias do Copom ocorrem durante dois dias.

O primeiro dia é reservado às apresentações técnicas de conjuntura, e o segundo traz as tomadas de decisões das diretrizes de política monetária.

A divulgação das deliberações feitas durante a reunião ocorre imediatamente após o seu término, após às 18h do segundo dia.

Já as Atas do Copom são divulgadas na terça-feira seguinte à reunião, às 8h da manhã.

A divulgação do calendário das reuniões, que ocorrem aproximadamente a cada seis semanas, tem grande antecedência.

No site do Banco Central, você encontra todas as datas das reuniões do Copom em 2019 e 2020.

Agora que você já compreende bem a importância desses encontros, é só colocar no calendário e acompanhar os próximas.

E se você quiser ir além nas suas análises e impulsionar suas aplicações de longo prazo, conte com a Onze Investimentos.

Por aqui, você encontra as melhores ferramentas, análises e oportunidades para alcançar um futuro mais confortável e tranquilo para toda a sua família.