Teoria Moderna de Portfólio: O que é e como ela influência sua carteira de investimentos

Por admin

“Não coloque todos os ovos em uma mesma cesta”. Ditado popular comumente usado em conversas cotidianas, a frase tem um forte aprofundamento no mundo dos investimentos. Inclusive, com o embasamento científico da Teoria Moderna de Portfólio.

Seguindo a premissa de se criar uma carteira com melhor possibilidade e menor risco, a teoria é um modelo que sugere aos investidores não concentrarem seus investimentos em um lugar. Ao contrário, o ideal é abrir várias carteiras para otimizar os investimentos.

O que é a Teoria de Markowitz?

O economista americano Harry Markowitz publicou o “Portfolio selection” no Journal of Finance. No texto, ele divulgou um novo modelo matemático, baseado no princípio da existência de vários riscos e retornos. Assim, ele sugere que a concentração de investimentos seja reduzida de uma única carteira e passe a ser redistribuída.

Na prática, aplicar a Teoria de Markowitz significa medir de forma exata o tamanho das cestas, ou seja, as suas carteiras, para distribuir os ovos, que representam os seus investimentos. Dessa forma, deve haver um equilíbrio ideal para que no local estejam presentes tanto os riscos quanto os retornos.

Assim, na carteira de investimentos os portfólios são otimizados, considerando o risco e retorno, que devem ser avaliados em conjunto

Conceitos da Teoria Moderna de Portfólio

A Teoria Moderna de Portfólio fala como os investidores podem construir as variadas carteiras para aumentar o retorno esperado no investimento. Sempre baseado em um risco no mercado.

Seguindo a sabedoria de não colocar todos os ovos em uma única cesta, assim constrói-se uma “fronteira eficiente” de carteiras de diversificados produtos de investimentos, para se ter um bom retorno.

O ensinamento de que para diminuir os riscos nos investimentos, é preciso aumentar a carteira, ocorre há muito tempo. E com o estudo publicado por Harry Markowitz, a Teoria Moderna de Portfólio teve maior alcance e profundidade.

A ideia principal parte da análise de riscos, teoria que continua sendo a principal base na formação de carteira de investimentos nas instituiçõ es financeiras. No mercado financeiro, a Teoria Moderna de Portfólio possibilita que o investidor ingresse sem amadorismo.

Assim, todos os cálculos feitos por meio dela mostram qual a melhor composição para sua carteira de investimentos no momento, sem que você corra riscos de ter prejuízo.

Fronteira eficiente da Teoria de Markowitz e a relação entre risco e retorno

A relação entre risco e retorno e correlação de ativos baseia-se no termo Fronteira Eficiente, da Teoria de Markowitz. O economista avaliou que todo investimento tem seu risco e consequentemente o seu retorno. Assim, o importante é não centrar as ações em riscos individuais, mas analisá-las em coletivo.

A Fronteira Eficiente pode ser representada como um gráfico em curva, que mostra as combinações possíveis de risco e retorno no investimento.

Tomando como exemplo os ativos do Ibovespa Selic, pode-se analisar a Fronteira de risco da Teoria de Markowitz. Nessa análise, a alocação de 90% Selic e 10% Ibov é mais eficiente do que 100% Selic, devido ao retorno ser mais elevado.

Fases da carteira de investimentos

A avaliação da carteira de investimentos envolve três fases. São elas:

  • Análise dos títulos
  • Análise de carteiras
  • Seleção de carteiras

Os riscos de uma carteira são medidos pelo desvio padrão, seguindo a Teoria  Moderna do Portfólio. Mas não se trata de somente calcular os riscos individuais. Eles devem ser analisados coletivamente.

Risco e Retorno: Como construir uma carteira de investimentos diversificada?

Para a maioria dos investidores, a diversificação da carteira é a chave para o sucesso nos investimentos. S e você conseguiu poupar para investir, é hora de procurar quais os melhores rendimentos.

E para seu auxílio, reunimos neste artigo algumas dicas para você conseguir diversificar os seus investimentos e não ter prejuízo no futuro.

Entenda o que é a volatilidade do mercado e sua atuação nos investimentos.

Tenha Equilíbrio

A diversidade de prazos e tipos de investimentos podem fazer você atingir um bom equilíbrio. Mas, para isso, é fundamental que se tenha consciência dos riscos nas oscilações do mercado financeiro.

Por isso, tenha autoconhecimento e confiança suficiente para fazer a diversificação em sua carteira de investimentos. Se, por exemplo, a queda na Bolsa lhe deixa inseguro, invista uma parcela menor em rendas variáveis.

Dilua os riscos

A renda variável caminha ao lado da incerteza no mercado financeiro. Pois ao mesmo tempo em que seus investimentos podem gerar um grande lucro, eles também podem fazer você perder dinheiro.

Por isso, a Teoria Moderna de Portfólio é fundamental para que os riscos sejam diluídos nos diversos investimentos. Pois se um deles despencar, os outros podem mostrar boa performance e, assim, o investidor não terá grande prejuízo.

Contudo, avalie quais os tipos de renda fixa você deve colocar o seu dinheiro. Pois os títulos públicos sofrem marcação à mercado. Não há um investimento com 100% de ganhos, mas ao diluir os riscos, você consegue equilibrar o resultado.

Assim, é possível destacar dois tipos de riscos:

  • Risco de Crédito: capacidade de a instituição financeira pagar dívida com os investidores
  • Risco de Negócios: fala da incerteza sobre estimativas do resultado operacional de uma determinada empresa

Há ainda os riscos não diversificáveis e diversificáveis:

  • Riscos não diversificáveis: Ameaças que podem afetar de diversas maneiras qualquer empresa, como crise econômica, inflação, falência, juros, guerras, instabilidade política, entre outros. Pelo fato de ser comum a todas as organizações, não é possível diversificar a parcela de riscos.
  • Riscos diversificáveis: Já estas representam o risco individual que o investimento de uma carteira está sujeito a sofrer e pode comprometer os retornos dos ativos. Pode ser em relação à empresa, ao nicho de mercado, ou país.

Vários instrumentos

Outro segredo para o sucesso nos seus investimentos é apostar em vários instrumentos, classes de ativos, setores ou outras categorias, para fazer uma carteira certeira e rentável.

Assim, você pode avaliar diferentes critérios e também indexadores como inflação, CDI e Ibovespa.

Como a Teoria Moderna de Portfólio pode te ajudar na hora de investir?

Quer investir, mas não sabe como a Teoria Moderna de Portfólio pode te ajudar? Entenda, primeiramente, como funciona a relação na carteira de investimentos 60 – 40. Consideradas bases para os investimentos por mais de meio século nos EUA, as carteiras 60-40 dividem os recursos em 60% dos recursos para renda variável e 40% para renda fixa.

Assim, carteiras que seguem esse padrão se tornam eficientes ao atingir a valorização, proteção contra a inflação e melhor preparo para eventuais quedas. Mas, comparando com a realidade do cenário brasileiro, talvez não surta efeito. Isso porque na carteira do investidor brasileiro as rendas fixas são maioria. E com isso o retorno tem sido considerado baixo.

Mas a era dos juros baixos, na qual o Banco Central reduziu a taxa Selic para 6% a o ano, pode significar um grande salto para os investimentos. Baseado na premissa da Teoria Moderna do Portfólio.

Em resumo, na Teoria Moderna de Portfólio, quando novos ativos são incluídos na carteira de investimentos, o risco total é reduzido significativamente. Enquanto isso, o retorno da carteira é determinado pela média de retornos de ativos individuais.

Assim, você multiplica os seus rendimentos pois colhe resultados mais consistentes do que apostar em somente uma aplicação, que é algo comum em muitos investidores.

Investir de forma inteligente é a garantia de que você terá bons lucros e a Teoria Moderna de Portfólio é uma das melhores formas de se conseguir isso. Por isso, tenha um novo olhar sobre diversas formas de investimentos e aposte naquilo que combina melhor com seu perfil, estilo de vida e objetivos de rendimentos.