Capital Subscrito: O que é e como ajuda no desenvolvimento de um novo negócio

Por Redação Onze

capital subscrito

Qual a importância do Capital Subscrito

O Capital Subscrito é portanto a promessa de um investimento. Aqui vale frisar que não se trata de uma promessa da boca para fora. Ele também deve ser discriminado e formalizado no contrato social, que será apresentado na Junta Comercial, com prazos bem definidos para o valor ser repassado ao negócio. Ele é um ato jurídico e tem valor legal. O recurso não necessariamente será em dinheiro. Ele pode ser a aquisição de maquinário, a disponibilização de um imóvel, o repasse de veículos ou até mesmo obras de artes. 

Por ajudar a compor o Capital Social, o Capital Subscrito é também fundamental para a abertura de uma empresa e para o seu funcionamento nos primeiros anos. Ele é a base financeira para fundar o negócio. Além disso, vale dizer que os recursos prometidos partem das finanças pessoais dos sócios ou quotistas. 

O que é Capital Subscrito Integralizado

Mas quando o Capital Subscrito vira realmente recurso injetado na empresa? Os prazos para os sócios repassarem os investimentos às empresas precisam estar determinados em contrato. Quando ele é alocado na companhia, dizemos que o Capital Subscrito ficou integralizado. 

Apesar de ter prazo definido, esse repasse de recursos para um negócio pode não ocorrer. Ou ser feita parcialmente, restando o capital a integralizar. 

A forma de repassar o capital, a mudança de prazos ou o não repasse de recursos pode ter impactos diferentes, de acordo com o tipo de sociedade estabelecida, como a anônima ou a limitada. 

No caso das S/As, se houver alteração na data do pagamento, o novo prazo deve ser decidido em uma Assembleia Geral Extraordinária. Nas outras empresas, a nova data pode ser determinada apenas no contrato social do empreendimento, apontando a dívida que o sócio ainda tem com o negócio.  

Em situações de não pagamento do Capital Subscrito, pode acarretar em prejuízo para os outros sócios. Nas sociedades LTDAs (limitadas), se alguém não integraliza o Capital Subscrito, outro sócio pode ter que repassar os recursos à empresa, mesmo que já tenha pagado a parte que devia. Isso porque nas LTDAs, cada um da sociedade é considerado responsável pela integralização do capital.

Capital subscrito como investimento

Pela relevância que Capital Subscrito tem na formação de uma empresa e pelas consequências que se terá depois, caso não seja pago, a escolha dos sócios deve ser cuidadosamente pensada e planejada. 

Reunir o capital necessário para a abertura do negócio pode ser o momento de se conseguir um sócio investidor. Quem deseja investir em uma empresa, esta pode ser a oportunidade de aportar os recursos pessoais em uma companhia para colher os louros mais tarde, já que o Capital Subscrito é considerado um investimento de longo prazo. 

Por outro lado, o Capital Subscrito ainda pode ser um ótimo indicador se a empresa vale o seu investimento. Se a companhia possui muito capital a integralizar, pode haver um risco de calote, levando ao fechamento da empresa e fazendo você perder dinheiro.