5 passos para evitar o estresse financeiro na sua empresa

Por Redação Onze

estresse financeiro

O estresse financeiro dos funcionários pode ameaçar sua produtividade e acabar com o engajamento na empresa. Isso porque a preocupação com o bolso está no topo das causas de estresse entre profissionais, e pode afetar drasticamente sua performance e motivação no trabalho.

Apenas nos Estados Unidos, meio trilhão de dólares por ano é perdido em produtividade devido a problemas financeiros dos funcionários. Por isso, cada vez mais empresas investem na educação financeira e orientação de seus colaboradores, como parte essencial dos programas de bem-estar.

Se você quer combater o estresse financeiro dos funcionários e garantir equipes mais engajadas e produtivas, este artigo pode ajudar.



Por que se preocupar com o estresse financeiro dos funcionários?

O estresse financeiro dos funcionários vem preocupando empresas do mundo todo como uma das principais causas de baixa produtividade e desmotivação.

Frequentemente, a preocupação com dívidas, contas atrasadas e dificuldade em poupar e investir para o futuro tiram a concentração dos profissionais e prejudicam o desempenho no trabalho.

Por isso, além do salário e benefícios, as organizações têm se mobilizado para oferecer programas de educação financeira, consultoria de investimentos, planos de previdência e outras iniciativas que ajudam os colaboradores a controlar a saúde das finanças.

Dessa forma, conseguem aumentar o engajamento e combater problemas como absenteísmo, alto índice de turnover e baixa performance. Se você nunca pensou no quanto o estresse financeiro dos funcionários afeta os resultados da empresa, vai ficar surpreso com os números a seguir.

O estresse financeiro dos funcionários em números

A melhor forma de entender o impacto do estresse financeiro dos funcionários é analisar pesquisas, dados e estatísticas. Veja o que os números dizem sobre essa questão.

As principais preocupações financeiras dos colaboradores

De acordo com a edição de 2019 da pesquisa anual da consultoria PwC sobre bem-estar financeiro dos colaboradores, Employee Financial Wellness Survey, 59% dos entrevistados apontam as questões que envolvem dinheiro como seu principal motivo de estresse no trabalho.

Em seguida, vêm os próprios desafios do cargo (15%), relacionamentos com gestores e colegas (12%) e questões de saúde (10%). Estas são as preocupações financeiras que mais tiram o sono dos profissionais:

  • Não ter uma reserva de emergência para despesas imprevistas
  • Não conseguir se aposentar quando quiser
  • Não conseguir pagar as contas do mês
  • Não conseguir pagar as dívidas
  • Ser demitido do emprego
  • Perder seu imóvel
  • Não conseguir pagar o colégio dos filhos.

Falta de perspectiva para o futuro e impactos presentes

Outro dado que chama a atenção no estudo da PwC é que 80% dos colaboradores acreditam que ainda estarão trabalhando depois de aposentados por necessidade financeira. Ao mesmo tempo, só 43% calcularam a renda necessária para se aposentar, e essa falta de perspectiva para o futuro é uma das principais causas do estresse financeiro.

Em relação aos impactos, 32% afirmam que a preocupação com dinheiro afeta a saúde, 32% dizem que atrapalha os relacionamentos em casa e 21% sentem os efeitos negativos na sua produtividade no trabalho.

Prejuízo do estresse financeiro para as empresas

Outra pesquisa, realizada pela Salary Finance em 2019, revela que metade da força de trabalho norte-americana enfrenta o estresse financeiro atualmente.

Mas o mais impressionante é que esse fenômeno está causando um prejuízo de mais de US$ 500 bilhões às empresas, devido às perdas na produtividade. Além disso, os colaboradores financeiramente estressados têm mais que o dobro de chances de procurar outro emprego, causando o aumento dos índices de turnover.

As consequências para os funcionários e papel da empresa

Segundo a pesquisa da Salary Finance, de modo geral, um profissional preocupado com sua saúde financeira tem:

  • 3,4 vezes mais chances de vivenciar um ataque de pânico ou ansiedade
  • 4 vezes mais chances de sofrer de depressão
  • 5,8 vezes mais chances de perder prazos no trabalho
  • 4,9 mais chances de apresentar baixa performance e produtividade.

Outro dado importante é que o estresse financeiro não afeta somente os profissionais com salários mais baixos, pois os 40% que ganham acima de US$ 100 mil anuais são igualmente afetados pelo problema. Para o CEO da Salary Finance, Asesh Sarkar, as empresas não podem mais fechar os olhos para a situação financeira de seus funcionários:

“Historicamente, os empregadores sempre acharam que as finanças de seus funcionários não eram da sua conta, mas as empresas não podem continuar ignorando o bem-estar financeiro dos colaboradores. Há uma conexão clara entre o bem-estar mental e financeiro.”

O cenário brasileiro do estresse financeiro

No Brasil, uma pesquisa da consultoria BlackRock, publicada em 2019 na InfoMoney, mostra que o dinheiro é a principal causa de estresse no Brasil, apontada por 58% dos entrevistados — em segundo lugar, vem o próprio trabalho com 57%.

Além disso, os brasileiros não estão focando na aposentadoria como deveriam (apenas 53% poupam para o futuro, contra a média global de 63%) e fazem escolhas erradas nos investimentos (62% ainda aplica na poupança).

Qual o papel das empresas no combate ao estresse financeiro?

Ficou claro que as empresas precisam se engajar no combate ao estresse financeiro dos funcionários, se quiserem garantir seus índices de produtividade, retenção de talentos e alta performance.

A solução para isso é desenvolver programas de bem-estar financeiro que ofereçam soluções em educação financeira, orientação em investimentos, planos de previdência e outros benefícios que ajudem os profissionais a se organizarem e pouparem para o futuro.

No entanto, segundo a pesquisa da PwC, o estresse financeiro tem crescido justamente porque esses programas não são efetivos em pontos-chave como:

  • Preparar o colaborador para a aposentadoria
  • Auxiliar no controle de gastos
  • Orientar a quitação de dívidas
  • Instruir a economia para atingir objetivos (compra de imóvel, pós-graduação, viagens)
  • Orientar sobre gestão de investimentos em renda fixa e variável e aplicação de ativos
  • Auxiliar na gestão de despesas com saúde.

Por isso, o caminho é criar um programa mais abrangente que apoie o colaborador em suas decisões financeiras e ajude a equilibrar o orçamento — e não apenas instrua sobre educação financeira básica.

5 passos para garantir o bem-estar financeiro dos seus funcionários

Agora que você entendeu o impacto do estresse financeiro dos funcionários no negócio, precisa de uma estratégia para solucionar esse problema. Siga estes passos para criar seu próprio programa de bem-estar financeiro.

1. Identifique as necessidades dos funcionários

O primeiro passo para criar seu programa de bem-estar financeiro é descobrir quais são as prioridades e dificuldades dos colaboradores. Para isso, você pode conduzir uma pesquisa interna e considerar os seguintes pontos:

  • Nível de endividamento
  • Controle do orçamento doméstico
  • Situação patrimonial
  • Plano de aposentadoria
  • Planejamento de impostos
  • Conhecimento em investimentos
  • Relação com o crédito.

A partir dessas informações, você pode traçar um perfil dos seus colaboradores e entender os principais desafios de sua vida financeira.

2. Analise o papel da empresa nas finanças dos colaboradores

O próximo passo é identificar qual papel a empresa desempenha nas finanças dos colaboradores. Para isso, é preciso avaliar aspectos como:

  • Compatibilidade dos salários com o mercado
  • Relevância do pacote de benefícios (vale-transporte, vale-refeição, vale-alimentação, etc.)
  • Assistência médica e odontológica oferecida
  • Benefícios complementares como auxílio-educação, auxílio-creche e seguros
  • Políticas de remuneração variável (Ex.: bônus por desempenho, participação nos lucros).

3. Defina os benefícios mais importantes

Com o perfil financeiro dos colaboradores e uma visão ampla do papel da empresa em suas finanças pessoais, você já pode definir quais benefícios e ações são mais importantes. Veja algumas ideias para estruturar seu programa:

  • Criar novas políticas de remuneração por desempenho
  • Oferecer consultoria financeira e tributária personalizada
  • Disponibilizar formações e workshops de educação financeira para orientar sobre controle do orçamento, uso do crédito, quitação de dívidas, previdência privada, redução de gastos, poupança e investimentos
  • Facilitar o acesso a empréstimos com juros mais baixos
  • Oferecer consultoria específica para investimentos em curto, médio e longo prazo para atingir objetivos financeiros e construir patrimônio.

4. Engage os funcionários no programa

Depois de criar um programa sob medida para combater o estresse financeiro dos funcionários, você ainda precisa garantir a adesão e engajamento. Para isso, comece com uma comunicação criativa e motivadora do programa em todos os canais internos, mostrando a preocupação da empresa com o bem-estar de todos.

Você também pode estabelecer metas financeiras de economia e redução de custos para incentivar os colaboradores, por exemplo.

Outra forma efetiva de engajar os funcionários é utilizar soluções digitais, como aplicativos que oferecem check-up financeiro, controle do orçamento e recomendações individualizadas.

5. Acompanhe o desempenho do programa

Por fim, é importante acompanhar o desempenho do programa por meio de indicadores como índice de participação e progresso dos colaboradores em cada meta. Assim, você pode ajustar as ações à necessidade dos funcionários e melhorar cada vez mais seus resultados, reduzindo drasticamente o estresse financeiro na sua empresa.

Onze: a solução anti-estresse financeiro para os funcionários

Como vimos, diversas pesquisas mostram que o estresse financeiro dos funcionários prejudica a saúde física e mental, derruba a produtividade e aumenta o absenteísmo nas empresas. Tudo isso, como você já deve saber bem, é sinal de alerta para prejuízo nos negócios.

Foi de olho nesses problemas que nasceu a Onze, uma gestora de previdência privada empresarial que ajuda empresas de todos os portes a oferecer educação financeira de qualidade e um plano de previdência privada com bons retornos aos funcionários.

Para cumprir esse objetivo, montamos uma equipe especializada que está sempre de olho nas boas oportunidades do mercado. Se você ainda não tem muita intimidade com esse tipo de benefício corporativo ou quer entender melhor o trabalho da Onze, basta navegar um pouco pelo nosso site.

Temos artigos, e-books, planilhas e ferramentas que vão ajudar você a tomar as melhores decisões na sua empresa. Assim, você terá uma solução anti-estresse financeiro sob medida para o seu negócio — e sentirá os efeitos na produtividade.