Qual a melhor aplicação financeira para quem está começando?

Por admin

melhor-aplicação-financeira-para-quem-começa

Começar a investir gera medos e ansiedades, derivados do fato de não sabermos se conseguiremos fazer o dinheiro render ou se vamos acabar perdendo parte daquilo que tanto lutamos para conquistar. Esses questionamentos rondam o imaginário de qualquer um que está pensando em começar a investir.

Quando vamos iniciar qualquer nova empreitada na vida, seja o aprendizado de uma nova língua ou um esporte diferente, começamos pelo básico. Com investimentos não é diferente e existem diversas opções que oferecem rentabilidade e segurança, ideais para os novatos.

Quais são os melhores investimentos para quem está começando?

No geral, investidores iniciantes tendem a ser bastante cautelosos em relação a riscos. Por isso, os melhores investimentos para esse grupo costumam ter essa característica em comum.

Outro ponto importante é que devem começar do começo, ou seja, se ater a aplicações mais simples.

Partindo desses princípios destacamos cinco opções que podem se enquadrar como a melhor aplicação financeira para quem começa, dependendo do perfil investidor de cada um.

1 – Investimentos de baixo risco

O mercado de investimentos é dividido basicamente em dois tipos de aplicação: renda fixa e variável. A renda fixa são as aplicações que geram rendimento constante, vai crescendo aos poucos. Já a renda variável pode ocasionar melhores rentabilidades mas tem possibilidade de oscilar positiva e negativamente.

A primeira coisa a se fazer é iniciar ao poucos. Invista apenas uma pequena parte do seu patrimônio, menos de 5%. Preferencialmente em renda fixa.

2 – Poupança e tesouro

A poupança é tida como um dos piores investimentos. Isso se dá pelo fato de, muitas vezes, sua rentabilidade perder para a variação da inflação. O que significa que em termos de juros reais você está perdendo dinheiro, pois o dinheiro que está parado lá está desvalorizando frente a inflação.

Um investimento de características semelhantes a poupança em relação a procedimentos e baixo risco, mas com rentabilidade maior e efetiva é o tesouro direto.

Os títulos do tesouro direto são garantidos pelo Tesouro Nacional, fazendo com que seu risco seja o mais baixo do mercado. Ele possui rentabilidade atrelada à taxa básica de juros e permite investimentos mínimos de valores bem pequenos.

3 – Investimentos em ações

As ações fazem parte da categoria de investimentos de renda variável. Sendo assim, os valores das ações não são fixos, eles oscilam de acordo com o desempenho e credibilidade de suas empresas, dentre outras variáveis.

Negociadas dentro da Bolsa de Valores, as ações podem ser adquiridas diretamente ou por meio de Fundos de Ações, que nada mais é do que uma carteira com ações de várias companhias.

Há diversas formas de se operar com ações, mesmo com um perfil mais conservador. Além disso, principalmente quando encaradas como um investimento mais a longo prazo, as ações podem trazer bons resultados.

4 – Investimentos em imóveis

O brasileiro possui a cultura de investir em imóveis em sua forma física, comprando salas, apartamentos e posteriormente gerando renda por meio da revenda ou aluguéis. No entanto, essa é uma prática que demanda uma grande quantidade de capital.

Uma alternativa para quem gosta dessa modalidade são os fundos imobiliários. Como nos imóveis físicos, a maioria dos fundos compram imóveis comerciais com bom potencial para conseguir renda através da locação ou da valorização do bem em si.

Investindo nesses papéis você adquire pequenas partes de imóveis e recebe percentuais dos resultados obtidos.

Um diferencial relevante é que os fundos possuem um gestor especializado que, diariamente, faz o acompanhamento do patrimônio e do mercado. Portanto, os fundos podem ser excelentes opções para a diversificação da carteira de investimentos.

5 – Bitcoins

Bitcoin é uma moeda digital que se popularizou bastante nos últimos anos e tem apresentado bons rendimentos. Em 2019 a criptomoeda valorizou cerca de 300%.

Os investidores de bitcoin possuem um perfil mais agressivo e são mais dispostos a correrem riscos, já que as bitcoins apresentam uma alta rentabilidade e volatilidade.

Como a melhor aplicação financeira para quem começa é aquela que mais se adapta ao seu perfil de investidor, cabe a você perceber se sua personalidade atrelada aos prazos e objetivos financeiros, fazem de você um investidor do tipo arrojado que gosta de diversificar bastante seus ativos. Se sim, então essa pode ser uma boa opção.

Como escolher o melhor investimento?

Não existe uma só aplicação que seja considerada a melhor aplicação financeira para quem começa a investir, porque mesmo dentro do grupo de investidores iniciantes, precisamos conhecer o perfil investidor de cada um.

O perfil de investidor se baseia em duas premissas básicas: prazo e risco. O prazo diz respeito a por quanto tempo a pessoa está disposta a deixar seu dinheiro aplicado, ou se irá precisar dele a qualquer momento. Já o risco está relacionado a propensão de uma pessoa a arriscar mais para obter melhores resultados.

Escolher qual o melhor investimento perpassa por entender qual tipo de investidor você é, para então poder descobrir qual investimento mais se adequa às suas expectativas e realidade.

Dentro deste contexto, e por estarem começando a atuar no mercado financeiro, o ideal é que se atenham a aplicações mais simples, para que com o tempo, depois de adquirida confiança e experiência, por meio de estudos e práticas, passem a se arriscar em opções mais complexas de investimentos.

A falta de experiência e, principalmente, de conhecimento podem gerar perdas pelo caminho. Para minimizar os tropeços a Onze Investos oferece informações e apoio a quem quer entender mais sobre finanças e investir com sucesso.