Como fazer o cálculo de depreciação para investir melhor?

Por admin

De acordo com o SPC Brasil, 2 em cada 10 brasileiros guardam dinheiro em casa ou na conta corrente. Mas já imaginou fazer seu dinheiro render e não apenas ser poupado? Existem maneiras mais indicadas – e rentáveis – para utilizar o seu dinheiro.

Isso porque, essa maneira de poupar pode depreciar o seu dinheiro e fazer com que você perca importantes quantias. Para saber como investir melhor, é importante estar atento à depreciação dos bens, definir metas de investimento e ficar de olho nas dicas a seguir.

O que é depreciação?

Todo bem material tem uma vida útil e sofre desgastes naturais. Dependendo do produto, ele ainda pode ficar vulnerável às mudanças do mercado sobre seu valor. Assim, a depreciação é o processo de desvalorização que um bem material passará durante um determinado período de tempo.

Veja o exemplo mais conhecido de depreciação: a desvalorização de um automóvel. É senso comum que um carro começa a perder seu valor desde que sai da concessionária, pois cada quilômetro rodado significa desgaste cada vez maior ao longo do tempo. O veículo também sofre com a depreciação por obsolescência, já que a cada ano um novo modelo é desenvolvido pela fábrica, o que aumenta a taxa de depreciação.

Em termos contábeis, é importante ter este conceito em vista para controlar os ativos financeiros, pois indica quanto do valor do ativo foi utilizado. Além disso, compreender e entender esse conceito é importante para fins tributários, mesmo fora de um fluxo de caixa real, pois é possível deduzir o custo dos ativos tangíveis adquiridos como despesas de negócio, desde que sigam as regras de depreciação da Receita Federal, como veremos abaixo.

Quando se fala em investimento, é importante ter ciência sobre o produto a adquirir, sua relevância e vida útil. Por exemplo, enquanto um imóvel apresenta 4% de taxa anual de depreciação e tem vida útil de 25 anos, computadores e veículos chegam a 20% de depreciação anual e em 5 anos podem ficar obsoletos.

É preciso ainda comparar tudo isso ao tempo em que este bem será utilizado, à lucratividade que o equipamento ou produto poderá reverter à empresa nesse período e, aí sim, calcular o que seria mais vantajoso no momento. A depreciação é passível de deduções no Imposto de Renda, sendo um item importante nos relatórios contábeis de um negócio.

Como a depreciação de um ativo é calculada?

De modo mais simples, a depreciação de um bem é estimada com base em seu desgaste e obsolescência, considerando seu custo original, o seu valor residual e seu tempo de vida útil.

Ou seja, o custo de aquisição (somado ao custo de transporte e instalação do produto, dependendo do caso); menos o valor residual, que seria o valor estimado de revenda; dividido pelos meses de vida útil.

Veja o exemplo abaixo:

Custo de Aquisição (Custo de Transporte + Instalação do Produto) – Valor Residual

__________________________________________________________________________________

Meses de Vida útil

Este método, conhecido como Depreciação Linear, é o método mais utilizado pelas empresas, por ser aceito para apuração do Imposto de Renda (IR), pela Receita Federal.

A Receita considera o cálculo de depreciação pois quanto maior a depreciação, menos imposto de renda a empresa irá pagar. Isto porque a depreciação é considerada despesa, pois assim como qualquer outra, reduz o lucro antes do imposto de renda.

Além disso, esse cálculo é importante tanto para obter o valor de um bem, como para levantamento de lucro no período de utilização do mesmo, além de considerar seu ativo para balanço patrimonial.

Desta forma, ao invés de considerar o  investimento do bem como despesa no ano corrente, a empresa evita reduzir artificialmente o lucro do ano em que fez a compra, prevenindo futuras erros na estimativa do lucro real dos anos seguintes, levando em conta o tempo total em que o ativo será utilizado, .

A partir desta conta, é possível também que a empresa estime valores de reserva mensais para a aquisição de um novo bem. Lembrando que estes cálculos, claro, servem apenas para bens depreciáveis, já que existem os bens não-depreciáveis, como veremos a seguir.

Existem bens não-depreciáveis?

De acordo com a Receita Federal, há também bens que não são depreciáveis, o que não significa que não apresentem riscos. São eles:

  • Terrenos (exceto reformas e construções)
  • Imóveis nunca utilizados para rendimentos da empresa ou com potencial de revenda
  • Bens registrados com quotas de exaustão, como jazidas, florestas, reservas de petróleo
  • Bens que raramente perdem valor com o tempo, como coleções de jóias e de arte
  • Bens sem condições de produzir ou que não estiverem funcionando;
  • Bens adquiridos no exterior por empresa instalada em Zona de Processamento de Exportação (ZPE).

Dessa forma podemos concluir que saber utilizar o cálculo de depreciação de bens ajuda estrategicamente o negócio e aumentar o lucro da empresa, já que a depreciação irá ajudar um gestor a escolher a mesma forma de investir, além de determinar a melhor destinação para cada ativo de seu negócio, agregando maior valor à companhia e aos seus investimentos.

Seguindo esta lógica, em linhas gerais é possível considerar que a compra de um equipamento cuja depreciação total anual de vida útil tenha um resultado menor do que sua lucratividade seja uma aquisição positiva para uma empresa, por exemplo.

Gostou do conteúdo? Então confira outros artigos, aqui na Onze, e se informe sobre finanças e investimentos.