Como reagendar restituição e corrigir dados no Imposto de Renda

Por Redação Onze

como reagendar restituição

Quem busca aprender como reagendar restituição é porque, geralmente, precisa alterar informações da sua declaração no Imposto de Renda.

Se esse é o seu caso, fique tranquilo.

Como a gente vai explicar neste artigo, a correção dos dados bancários é simples de fazer e garante que o valor devolvido em impostos pagos caia certinho na sua conta.

E quem poderia abrir mão desse dinheiro extra, não é verdade?

Confira, então, o nosso passo a passo para que você consiga alterar as informações no sistema sem perder o prazo do lote de restituição.



Como reagendar restituição no IR e corrigir dados

Todo declarante do Imposto de Renda (IR) pode ter direito ao recebimento da restituição.   

Isso acontece quando o tributo retido na fonte no ano fiscal anterior ficou acima do devido.

Nesse caso, contribuintes que pagaram mais IR do que deviam têm créditos a resgatar junto ao Fisco.

O total é calculado automaticamente assim que transmitida a declaração de ajuste anual à Receita Federal.

Para receber os valores disponíveis, o declarante precisa informar os seus dados bancários

Contudo, se houve algum erro de informação ou mudança na conta bancária, por exemplo, ele pode solicitar ao Banco do Brasil a correção dos dados.

É hora de aprender como reagendar restituição no Imposto de Renda.

Confira o passo a passo!

1 – Consultar a situação da declaração

Primeiro de tudo, é necessário verificar a situação da Declaração Anual do Imposto de Renda (DIRPF). 

Ao acessar o site da DIRPF, o declarante poderá consultar se tem direito ou não ao recebimento da restituição do IR (será preciso informar ou criar um código de acesso).

Se for o caso, nesta outra página da Receita Federal, pode verificar o status da restituição.

2 – Verificar dados bancários

Em seguida, o usuário deve conferir se todas as informações bancárias estão corretas. 

A devolução do valor excedente de IR é feita somente para a conta-corrente ou poupança em nome do titular da declaração.

Não há como reagendar restituição para a conta de outra pessoa, portanto.

3 – Solicitar a correção dos dados

Se o declarante constatar que houve erro ao informar os dados bancários ou quiser alterar o destino da restituição, poderá solicitar a sua correção.

Para isso, ele deve entrar em contato com a Central de Atendimento do Banco do Brasil, através dos telefones:

  • 4004-0001 (capitais)
  • 0800-729-0001 (demais localidades)
  • 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos).

Se preferir, também tem como reagendar restituição indo diretamente em uma agência do Banco do Brasil.

SAIBA+ONZE – Confira o guia completo sobre imposto de renda que a Onze preparou para você aqui!

Quando é preciso reagendar a restituição

Ao fazer um novo agendamento, o contribuinte adiará o recebimento do crédito do IR. 

Assim, ele terá mais tempo para fazer alterações em seu cadastro até que o valor esteja disponibilizado em conta.

Por isso, o reagendamento da restituição deve ser feito quando o declarante encontrar erros ou desejar alterar as informações prestadas.

Para não ficar para os últimos lotes, vale prestar atenção em dados como:

  • Banco – nome e número
  • Agência – número da unidade
  • Número da Conta
  • Tipo – corrente ou poupança
  • Nome e CPF do titular – que deve ser o declarante.



Como funciona a restituição no IR

Você aprendeu como reagendar restituição. Mas sabe como o processo funciona?

O Imposto de Renda é um tributo que incide sobre os recebimentos dos brasileiros. 

Assim, sempre que um cidadão ultrapassar um valor mínimo de renda mensal, contribui para o IR.

A mordida do Leão pode acontecer de diferentes maneiras. 

Dentre elas, está o IRRF: Imposto de Renda Retido na Fonte. Ele é “descontado” do recebimento antes mesmo de chegar ao bolso do recebedor.

O IRRF é incidente, por exemplo, sobre o salário e alguns tipos de investimento em renda fixa.

Mas, em algumas situações, o contribuinte pode ter tido mais IR descontado, ao final de um ano, do que realmente deveria pagar.

Assim, a declaração anual do imposto é importante para que ele possa comprovar à Receita Federal que tem créditos do IR – recolhido de forma excedente.

Caso isso aconteça, o contribuinte receberá a quantia em forma de crédito em sua conta bancária após o envio e apuração da DIRPF.

A liberação dos valores atende a um calendário de diferentes lotes, definidos de forma a priorizar idosos, portadores de deficiência física e professores.

Só depois vem o contribuinte comum. Nesse caso, quem entrega primeiro a declaração de renda, recebe antes.

SAIBA+ONZE – Aprenda aqui como declarar suas ações e investimentos!

Prazos de resgate da restituição

A restituição é liberada em lotes pela Receita Federal. 

Anualmente, ela informa o calendário com as datas para creditar os valores devidos.

Em 2020, por exemplo, as datas são as seguintes:

  • 1º lote: 29 de maio de 2020
  • 2º lote: 30 de junho de 2020
  • 3º lote: 31 de julho de 2020
  • 4º lote: 31 de agosto de 2020
  • 5º lote: 30 de setembro de 2020.

Quem perde o prazo de resgate da restituição tem até um ano para receber os valores na rede bancária. 

Depois disso, o crédito retorna para a Receita Federal. 

Caso a quantia a ser restituída retorne para o Fisco, o contribuinte tem ainda mais 5 anos para requerer o valor.

Para isso, ele deve fazer a solicitação através do formulário eletrônico “Pedido de Pagamento de Restituição”. 

O documento pode ser preenchido na página Consulta Restituição e Situação da Declaração IRPF.

Ou, se preferir, o declarante pode acessar o Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC) e solicitar a restituição com prazo vencido em “Restituição e Compensação”, no item “Restituição do Imposto de Renda Pessoa Física – IRPF”, opção “Extrato do Processamento da DIRPF”.



Quem tem direito à restituição do IR

Todos os brasileiros que pagaram mais IR do que deveriam no ano anterior têm direito à restituição.

Mas não basta saber se você é um contribuinte que tem créditos do imposto junto à Receita Federal: é imprescindível estar com suas finanças organizadas para usar bem o dinheiro extra.

Assim, organizar todos os seus recebimentos – salários, pró-labore, investimentos e rendimentos – e despesas é fundamental para resgatar e aproveitar o crédito.

Você aprendeu neste artigo como reagendar restituição. Mas não pare por aqui.

No blog da Onze, temos diversos conteúdos para que você organize sua vida financeira e alcance suas metas e sonhos.