Fintechs: o que são e o que representam para o setor financeiro?

Por admin

Inexistência de filas, zero burocracia e atendimento ágil. Parece bom demais para ser verdade, porém, essas práticas estão começando a se tornar cada vez mais acessíveis com o advento das Fintechs. E você já pode até estar usando o serviço de uma delas em seu smartphone, mesmo sem saber.

Segundo um estudo da Finnovation, realizado no primeiro semestre de 2018, o Brasil contava com 377 fintechs. Dentre elas, três estão entre as 100 mais inovadoras do mundo. Em nível mundial, esse número ultrapassa os 5,5 mil.

Mas você sabe exatamente o que é uma Fintech e como elas funcionam? Confira o artigo abaixo e descubra os principais tipos e suas vantagens. Vamos lá?

Fintech: o que é?

O nome Fintech surgiu da junção dos termos em inglês financial e technology, e se refere, geralmente, a startups jovens e disruptivas que inovam e aprimoram a infraestrutura de serviços na área financeira, com tecnologia e praticidade.

Aliás, praticidade, certamente, é o principal atrativo dessas empresas para conquistar e fidelizar seus clientes. Produto da chamada 4ª Revolução Industrial, elas fundem o mundo físico e digital, desenvolvendo serviços financeiros completamente acessíveis por um smartphone ou computador. Para utilizar esses serviços, o usuário deve realizar os acessos através de aplicativos.

Além disso, as Fintechs oferecem as seguintes vantagens:

  • Menos burocracia
  • Mais transparência
  • Agilidade nas soluções
  • Sem cobrança de taxas ou taxas muito inferiores às cobradas pelo mercado tradicional
  • Atendimento personalizado e espontâneo
  • Sem avaliação de crédito e serviços financeiros diferenciados

Elas são consideradas disruptivas por irem contra a lógica dos grandes bancos, que costumam ser muito mais burocráticos, mesmo para resolver uma demanda simples.

Apesar dos serviços de Internet Banking terem tornado os processos mais práticos, o sistema bancário tradicional ainda perde, se comparado ao serviço online oferecido pela Fintech, o que é um fator positivo para as novas empresas.

Com as Fintechs, a demanda por mais tempo e praticidade foi atendida e, assim, o poder foi colocado na mão do consumidor, que decide quando resolver uma pendência sem precisar usar mais do que alguns toques em sua tela.

Tipos de Fintechs

Apesar de serem conhecidas principalmente pela atuação no setor bancário, não há limites para as áreas de atuação de uma Fintech. Conheça algumas delas abaixo:

Pagamento

Elas surgiram para descomplicar as transações de compra e venda. Você já deve usar os serviços, ter visto ou ao menos conhecer o nome de uma. São aquelas que lançam novidades relacionadas a cartões de crédito. Nesse grupo, se encontram bancos digitais como Nubank, Inter e Next.

Também se destacam empresas de cartão de crédito que não cobram taxas ou anuidade, e têm juros rotativos inferiores aos cobrados pelo mercado tradicional, como a PagSeguro.

Crédito / empréstimo

A função dessas Fintechs é conectar empresas que oferecem um serviço a pessoas que precisam dele. Uma delas é a Geru, que intermedeia o processo de quem pode emprestar a quem está em busca de empréstimos com juros mais baixos.

Sua organização é enxuta e se utiliza de análises de perfil com dados para gerar uma análise de crédito, agilizando os serviços financeiros.

Crowdfunding

Muitas pessoas têm ideias de negócios mas não conseguem colocá-las em prática por falta de dinheiro. As Fintechs de crowdfunding, como a Catarse, ajudam empreendedores ou qualquer outra pessoa que precise levantar capital para um projeto a conseguir o dinheiro necessário por meio de financiamento coletivo. As transações são seguras, transparentes e completamente automatizadas.

Bitcoins

Os Bitcoins, moedas financeiras completamente digitais, precisam de um gerenciamento diferenciado do da moeda normal.

Foi aí que chegaram Fintechs estruturadas para realizar transações para esse tipo de investimento, aproveitando o interesse internacional nessa nova modalidade de dinheiro.

Controle financeiro

Talvez você, como a maioria das pessoas, não tenha suas finanças bem organizadas. Sabendo da necessidade de controle e da ausência de serviços voltados para isso, surgiram as Fintechs de controle financeiro, como a ZeroPaper e a GuiaBolso, que gerenciam o controle de gastos pelo smartphone.

Aproveite e saiba como montar uma planilha de gastos.

Investimento

Quem não busca mais facilidade na hora de investir? Fintechs como a XP Investimentos e a Órama trabalham para tornar o rendimento de seus clientes mais lucrativo e simples de gerenciar, independente do tipo de investimento.

Esse tipo de serviço transforma radicalmente a ideia de corretora de valores, oferecendo uma experiência de investimento digital única.

Saiba como poupar dinheiro e investir melhor.

Quais as vantagens das Fintechs?

Com taxas econômicas, facilidade de aprovação de crédito e acesso a um smartphone pela maioria da população, praticamente qualquer pessoa maior de idade pode solicitar a abertura de uma conta em uma Fintech como a Nubank, por exemplo.

Diante disso, especialistas afirmam que o advento das Fintechs estimula o aquecimento do setor financeiro. Apesar da oposição dos grandes bancos, as novas empresas tecnológicas preenchem a lacuna deixada na questão de oferta de serviços baratos.

Essas Fintechs também aumentaram a inclusão da classe C no sistema financeiro, levando serviços rápidos e de qualidade para quem, muitas vezes, não tinha possibilidade de realizar atividades bancárias básicas.

Alguns dos diferenciais das Fintechs residem no fato de que, apesar de serem altamente tecnológicas, sua configuração para o usuário é bastante intuitiva e o atendimento, humanizado.

Além disso, outros pontos favoráveis são:

  • Comunicação didática e transparente
  • Serviços especializados
  • Ausência de burocracia, rapidez na solução
  • Tecnologia blockchain para segurança das transações
  • Customização das necessidades

Fintechs são realmente seguras?

Por serem, em sua maioria, startups, muitos acreditam que as Fintechs não são reguladas pelos órgãos competentes, e que, desta forma, não poderiam  oferecer a mesma segurança dos bancos tradicionais.

No entanto, as Fintechs, assim como qualquer outro negócio, precisam seguir regulações e diretrizes rígidas para operar. No Brasil, o Banco Central é o principal órgão regulador do mercado, que supervisiona os movimentos do setor financeiro.

Uma das formas de saber se uma Fintech — banco, corretora, ou qualquer outra empresa que ofereça serviços financeiros no Brasil — existe de verdade, é possível fazer uma consulta no banco de dados do Banco Central. Basta acessar o link e digitar o nome da empresa ou o CNPJ no campo de buscas. Veja aqui uma lista das melhores fintechs para você conhecer.

Agora que você já conhece o conceito de Fintech, confira nossas dicas de economia.