Imposto de Renda no CDB: tributação e como calcular

Por admin

O Imposto de Renda no CDB é um fator importante na hora de investir. Se você quer aplicar em Certificado de Depósito Bancário, é melhor conhecer todos os detalhes de tributação previamente. Sem essa informação, o cálculo da rentabilidade fica comprometido.

Para isso, é importante lembrar que o Imposto de Renda no CDB segue uma alíquota regressiva conforme o tempo do investimento. Para ajudar nesse cálculo, preparamos este guia com todas as informações que você precisa ter em mente nessa hora.

Tem Imposto de Renda no CDB?

Sim, existe incidência de Imposto de Renda no CDB. Mas, nesse tipo de investimento, o imposto é cobrado somente sobre o rendimento do período de aplicação.

A regra vale para qualquer tipo de CDB. Aliás, muitos dos investimentos em renda fixa têm a mesma tributação. É o caso do Tesouro Direto, por exemplo.

Antes de continuar a leitura, vale a pena retomar o conceito de CDB, o Certificado de Depósito Bancário. O CDB é um título privado de renda fixa em que o investidor empresta dinheiro para bancos e recebe o dinheiro acrescido de juros posteriormente. É por meio desses títulos que as instituições financeiras captam recursos para oferecer crédito aos clientes, como empréstimos e financiamentos.

Antes de investir em CDB, o investidor escolhe o título conforme o tipo de rentabilidade (pré-fixada, pós-fixada ou híbrida), o prazo de resgate, o banco emissor e a liquidez do título.

Como é cobrado Imposto de Renda no CDB

O Imposto de Renda no CDB é cobrado a partir de uma alíquota regressiva, que varia conforme o tempo de aplicação. Ou seja: quanto maior for o tempo do investimento, menor é a alíquota de Imposto de Renda que você precisa pagar.

A maior alíquota é de 22,5% sobre o rendimento para resgates em menos de 180 dias, e a menor é de 15% sobre o rendimento para resgates a partir de 721 dias. Confira:

  • Até 180 dias: 22,5%
  • De 181 a 360 dias: 20%
  • De 361 a 720 dias: 17,5%
  • A partir de 721 dias: 15%.

Para você entender como é cobrado o Imposto de Renda no CDB, criamos abaixo dois exemplos de como funciona na prática.

Investimento de R$ 5 mil com prazo de 185 dias

Vamos supor que você fez uma aplicação em CDB no valor de R$ 5.000,00 e que seu dinheiro permaneceu investido por 185 dias. No fim do período, o seu lucro era de R$ 200,00.

Para saber como será a cobrança de IR, é preciso olhar para a tabela regressiva: em 185 dias de aplicação, a alíquota é de 20%, mas ela incide somente sobre os R$ 200,00, que é o rendimento. Logo, você vai pagar R$ 40,00 de Imposto de Renda no CDB.

Investimento de R$ 20 mil com prazo acima de 720 dias

Agora vamos imaginar um investimento com valor e período de investimento maiores.

Você fez um investimento de R$ 20.000,00 em um CDB com vencimento superior a 720 dias. O seu lucro foi de R$ 1.500,00, sobre o qual a alíquota que incide é de 15% devido ao período de resgate. Nesse caso, você pagaria R$ 225,00 de IR.

Há outros impostos no CDB?

No CDB há também incidência de Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) sobre o lucro. Mas o IOF só é cobrado nas aplicações em que o resgate é feito em menos de 30 dias após a aplicação.

O IOF é um imposto federal que tem alíquota bastante agressiva nos primeiros dias de investimento. Para resgate em um dia, a alíquota é de 96% sobre o rendimento.

A alíquota diminui conforme o passar dos dias, chegando a 3% para resgates em 29 dias. Por isso, o ideal é ter certeza de que você não vai precisar resgatar o investimento em menos de 30 dias para não comprometer o rendimento com a cobrança de IOF.

Mesmo com Imposto de Renda, é bom investir em CDB?

Sim, o CDB pode ser um bom investimento em muitos casos. Tudo depende da rentabilidade do título, da confiabilidade do banco emissor e da liquidez necessária, que você escolhe no momento da aplicação.

Existem três formas de rentabilidade:

  • Prefixada: taxa de juros é definida no momento da aplicação
  • Pós-fixada: rentabilidade atrelada a um indicador econômico, como o CDI (Certificado de Depósito Interbancário)
  • Híbrida: uma parte da rentabilidade com taxa de juros predefinida e outra parte atrelada a um indicador, como o IPCA.

Para saber se o CDB vale a pena, considerando a incidência de Imposto de Renda, é importante calcular a rentabilidade líquida do investimento. Ou seja: calcular o rendimento da aplicação após a cobrança de Imposto de Renda no CDB.

Dessa forma, você tem uma ideia exata de quanto o seu dinheiro vai render no período de tempo em que pretende deixá-lo investido em títulos de CDB, já com o desconto do imposto. Se você quer um investimento de longo prazo, melhor ainda: vai pagar taxas menores.

Antes de fazer a sua aplicação financeira, que tal uma ajuda extra? Confira os artigos da Onze Investimentos e tire todas as suas dúvidas.