Previdência privada ou FII: como investir para a aposentadoria

Por Redação Onze

Previdência privada ou FII: quais as diferenças?

Para fazer uma boa escolha entre previdência privada ou FII (Fundo de Investimento Imobiliário), primeiro é preciso conhecer suas diferenças.

Características da previdência privada

Planos de previdência privada são oferecidos por instituições financeiras para quem busca um futuro mais tranquilo na aposentadoria.

planos abertos, destinados ao público em geral, e os planos fechados, oferecidos por empresas e instituições aos seus colaboradores. 

As principais características da previdência privada são:

Gestão profissional

Ao contratar um plano de previdência, você terceiriza a um profissional especializado a administração do seu dinheiro. Ele é o responsável por escolher como aplicar os recursos dos cotistas.

Vantagens tributárias

O pagamento do Imposto de Renda, que ocorre no resgate ou recebimento da renda, pode ser feito por tabela progressiva ou regressiva.

A melhor escolha dependerá basicamente do tempo em que o dinheiro permanecerá investido. Para aplicações com mais de 10 anos, a tabela regressiva é mais vantajosa.

Fundos previdenciários também não sofrem com a incidência do come-cotas, a cobrança antecipada de Imposto de Renda. Assim, o dinheiro que seria pago ao governo a cada seis meses continua fazendo seu patrimônio crescer.

Portabilidade

Não está satisfeito com seu plano? Sem problemas: peça a portabilidade para outro que seja mais adequado às suas expectativas. A mudança é feita sem burocracia e sem a necessidade de resgate e pagamento de Imposto de Renda.

PGBL ou VGBL?

O PGBL é uma modalidade de plano destinada a quem faz a declaração completa do Imposto de Renda e contribui com o INSS. Permite descontar o valor das contribuições no IR até o limite de 12% da renda anual.

Já a modalidade VGBL é para quem é isento de Imposto de Renda ou faz a declaração pelo modelo simplificado. Não permite dedução fiscal.

Características dos FII

Os Fundos de Investimento Imobiliário são condomínios fechados que reúnem investidores interessados em explorar o mercado de imóveis. Se dividem basicamente em duas modalidades: os fundos de tijolo, que investem em imóveis físicos, e os fundos de papel, que investem em CRI, LCI, dentre outros ativos.

Com o dinheiro dos cotistas, o FII compra ou constrói imóveis e aluga a bons inquilinos – no caso dos fundos de tijolo. Com a renda do aluguel, paga as despesas administrativas e operacionais, e o lucro é distribuído em forma de dividendos.

Suas principais características são:

Isenção de Imposto de Renda

Investidor pessoa física de FII não paga Imposto de Renda sobre os dividendos, que costumam cair na conta todo mês.

O Imposto de Renda somente é cobrado nos casos de ganho de capital, em que há venda de cotas com lucro.

Gestão da carteira

Diferentemente da previdência privada, investir em fundo imobiliário exige tempo para acompanhar e gerenciar a carteira, além de conhecimento mais aprofundado sobre o mercado. Afinal, você é o responsável por escolher os fundos e reinvestir os dividendos, se quiser ver o dinheiro crescer ao longo dos anos.

Praticidade

Considerando o mercado imobiliário, investir em FII é bem mais prático e fácil do que comprar um imóvel para alugar. Com algumas centenas de reais, é possível comprar cotas de diferentes fundos e ser “dono” de frações de imóveis de qualidade em diversas partes do Brasil.

Sem burocracia

Outra vantagem do FII é a ausência daquela burocracia característica do mercado imobiliário. Negociação com inquilinos, reforma de imóveis e outras responsabilidades ficam a cargo do administrador.

Previdência privada ou FII: qual tem mais risco?

Os riscos variam de acordo com o perfil do fundo de previdência privada ou FII.

Assim como existem fundos de previdência arrojados e conservadores, os fundos imobiliários também têm riscos diferentes.

Por exemplo: um fundo de previdência multimercado é mais arriscado que um de renda fixa. Da mesma forma, um fundo imobiliário de tijolo monoativo e mono inquilino é mais arriscado do que um fundo com vários ativos e inquilinos.

De forma geral, os FIIs são considerados mais arriscados por serem ativos de renda variável.

Além da variação da cota na bolsa, os dividendos também sofrem oscilações. Se há vacância, inadimplência ou problemas estruturais nos imóveis, os rendimentos são impactados.

Previdência privada ou FII: qual tem maior potencial?

Tanto previdência privada quanto FII são investimentos que cabem em um projeto de aposentadoria.

Os recursos da previdência podem se transformar em renda mensal lá no futuro, e o FII paga renda mensal desde o primeiro mês.

Na previdência, você faz os aportes, e o gestor faz o trabalho. No fundo imobiliário, você é o gestor da sua própria carteira.

O ideal é sempre diversificar. Afinal, se você encontrou bons fundos de previdência e bons fundos imobiliários, por que não investir em ambos?

Lembre-se: com um portfólio equilibrado, você tende a alçar voos mais altos no longo prazo — sem tantos sobressaltos no meio do caminho.

Gostou do artigo? Tirou suas dúvidas e decidiu se investe em previdência privada ou FII neste momento? Então compartilhe com seus amigos nas redes sociais.