Previdência privada é renda fixa ou variável? Descubra

Por Redação Onze

previdência é renda fixa ou variável

Afinal, previdência privada é renda fixa ou variável?

Saber como funciona esse tipo de investimento é essencial para direcionar as aplicações financeiras e obter a melhor rentabilidade possível.

Como o dinheiro investido, nesse caso, é aplicado em fundos de investimentos, você pode escolher o tipo de alocação dos recursos.

Neste guia, saiba se a previdência privada é renda fixa ou variável e como direcionar o seu investimento para dar frutos no longo prazo.

 



Previdência privada é renda fixa ou variável?

A previdência privada consiste em fundos de investimentos com aplicações tanto em renda fixa quanto em renda variável.

Portanto, a resposta para a pergunta “previdência privada é renda fixa ou variável?” depende do perfil do investidor.

Na hora de contratar o plano, você pode escolher em quais fundos deseja investir, conforme a sua tolerância ao risco, perspectiva de prazos e conhecimento do mercado.

De forma geral, os fundos de previdência investem em diferentes classes de ativos.

Conforme a regra atual, os investimentos em renda variável podem compor até 70% dos fundos de previdência, exceto para investidores com patrimônio de mais de R$ 1 milhão em aplicações financeiras.

Esse percentual está previsto na Resolução 4.661, publicada Diário Oficial da União em 25 de maio de 2018.

Resumidamente, os investimentos em renda fixa costumam oferecer rentabilidade, riscos e volatilidade menores no longo prazo.

Enquanto isso, a renda variável oferece rendimento potencialmente maior, embora conte com volatilidade e risco mais elevadas.

Para ajudar na sua jornada de investimentos e facilitar sua alocação de recursos, vamos recapitular brevemente três dos principais conceitos tratados neste guia.

 

O que é previdência privada

Previdência privada é um plano de aposentadoria complementar à previdência social.

Sendo assim, não é oferecida pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), e sim por bancos, seguradoras e corretoras.

Na modalidade, você paga mensalmente ou de uma única vez o valor que cabe no seu orçamento e deixa o dinheiro rendendo por anos, até o resgate acrescido de juros.

Quanto maior o tempo da aplicação, maior também é a rentabilidade.

A previdência privada tem dois planos diferentes.

O PGBL (Plano Gerador de Benefícios Livres) permite restituição de Imposto de Renda, mas a incidência do imposto é sobre o valor total depositado e sobre o rendimento.

O VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livres) não permite restituição, mas o IR incide só sobre o valor total depositado.

E, conforme você já sabe, o dinheiro pode ser aplicado em fundos de renda fixa e variável.

Por isso, nos próximos tópicos, explicaremos cada modalidade.

O que é renda fixa

Renda fixa é um tipo de investimento em que o rendimento pode ser calculado na hora em que a operação financeira é realizada.

Ou seja: ao aplicar o seu dinheiro, você já sabe baiscamente quanto ele vai render em determinado período de tempo.

Isso é possível porque, já momento da aplicação, é definida uma taxa de rentabilidade.

Por isso, a renda fixa é um investimento considerado menos arriscado em relação à renda variável, especialmente para o investidor principiante.

Na previdência privada, os fundos com foco em renda fixa podem aplicar em títulos públicos e privados de diferentes tipos.

O que é renda variável

Renda variável é uma modalidade em que o investidor não sabe previamente quanto o dinheiro vai render ao realizar uma aplicação financeira.

Essa imprecisão ocorre porque a rentabilidade dos investimentos em renda variável está ligada a oscilações do mercado, da economia e da lei da oferta e da procura.

Isso quer dizer, na prática, que vários fatores externos interferem na performance do investimento.

Justamente por isso, a renda variável envolve volatilidade maior do que a renda fixa, mas também propicia uma rentabilidade potencialmente maior no longo prazo.

Na previdência privada, os ativos em renda variável incluem ações, fundos imobiliários, moedas estrangeiras e até mesmo ações de empresas de outros países.

Como escolher entre previdência privada de renda fixa ou variável

Depois de entender o que é renda fixa ou variável, vamos à prática: como escolher a modalidade do investimento na previdência privada? 

Confira abaixo duas dicas centrais para tomar a sua decisão:

1. Identifique o seu perfil de investidor

O primeiro passo é conhecer o seu perfil de investidor.

Na prática, isso significa entender qual é a sua tolerância ao risco ao investir dinheiro.

Existem três principais perfis de investimento. São eles:

  • Conservador: baixa tolerância ao risco e preferência por rendimentos previsíveis, mesmo que sejam menores, a partir de renda fixa
  • Moderado: um pouco mais de tolerância ao risco e preferência por lucros acima da média, integrando renda fixa e variável
  • Agressivo: alta tolerância a riscos e preferência por rentabilidade mais alta, a partir de investimentos majoritariamente em renda variável.

2. Defina o período do investimento

Saber por quanto tempo você pretende deixar o dinheiro rendendo é fundamental para escolher entre renda fixa e variável. 

No longo prazo, a renda variável tende a se valorizar mais.

Especialmente para quem é jovem, direcionar as aplicações em grande medida para a renda variável é interessante.

Mas por que isso acontece?

É que, como o investimento é feito em ativos geradores de dinheiro (exemplo: ações de empresas), a recompensa tende a ser maior no longo prazo.

Então, mesmo com volatilidade, o investimento em longo prazo permite que a rentabilidade seja recuperada e multiplicada.

Por outro lado, se você dispõe de uma janela temporal mais reduzida, o ideal é investir majoritariamente em renda fixa.

Onde encontrar previdência privada em renda fixa e variável

Depois de colocar as dicas em prática e identificar a melhor modalidade, é hora de procurar por previdência privada em renda fixa e variável para começar a investir.

Para isso, conte com o apoio especializado da Onze.

Aqui você planeja os melhores investimentos em longo prazo e encontra ofertas personalizadas para sua previdência privada.

Além disso, fique ligado nas dicas e artigos informativos do blog.

Quanto maior for o seu conhecimento sobre como funciona a previdência privada e todos os fatores a levar em conta na hora de investir, mais assertivas serão as suas decisões.

Se ficou com alguma dúvida ou quer iniciar a sua previdência privada, entre em contato com a Onze para saber mais e levar suas finanças para um novo patamar.