Como reduzir o turnover na sua empresa

Por Redação Onze

como reduzir turnover

Várias empresas já entenderam a importância de reter funcionários para reduzir o impacto negativo dos altos índices de turnover. Por conta disto, o tema se tornou uma das maiores preocupações da área de recursos humanos na atualidade. Mas, afinal, como reduzir o turnover?

Os tipos de turnover e seus impactos

Segundo uma pesquisa realizada pela Robert Half, o Brasil é o país com maior índice de turnover nas organizações do mundo desde 2010 . Mas, para entendermos todas as consequências da alta rotatividade de funcionários e saber como reduzi-la, primeiramente é preciso saber que existem diferentes tipos de turnover e, para cada um deles, as causas e os impactos podem ser distintos.
Confira!

Turnover voluntário

Toda vez que um funcionário pede o desligamento da empresa por conta própria, isto é considerado um turnover voluntário.
Sempre que esse tipo de rotatividade acontece, embora seja comum, é importante observar suas causas, já que além de ajudar a evidenciar problemas internos que precisam ser tratados, também mostra o que pode ser feito para melhorar a retenção de colaboradores.

Geralmente, os motivos são vários, como proposta de emprego melhor, conflitos com integrantes da equipe, falta de um plano de carreira, insatisfação com salário e políticas internas, entre outros. Como nestes casos o descontentamento pode estar por trás do desligamento, possíveis queixas do colaborador com amigos e familiares podem afetar as estratégias de employer branding da empresa.

Turnover involuntário

Diferente do anterior, esse tipo de turnover é quando a demissão acontece por iniciativa da empresa, e na maioria das vezes decorre de uma possível insatisfação com o baixo desempenho do funcionário, ou de outros problemas mais sérios como necessidade de reduzir os custos, justa causa, dificuldade de adaptação com a equipe, conflito com outros integrantes, ou até mesmo falha na contratação.

Um dos maiores impactos do turnover involuntário é nas finanças, já que a empresa tem que arcar com todos os direitos trabalhistas garantidos pela CLT, custos que vão além das despesas com contratação de novo funcionário ou remanejamento de funções.

Além disso, o clima organizacional também fica afetado, já que após uma demissão involuntária é comum os demais colaboradores se sentirem ameaçados.

Turnover funcional

Tratado também como um turnover voluntário, ele regularmente é visto como menos prejudicial porque acontece quando um colaborador de baixo desempenho pede desligamento. Essa movimentação faz com que a organização tenha a oportunidade de trocar o funcionário por outro com possibilidade de maior rendimento, sem precisar lidar com todos os custos financeiros que envolvem uma rescisão pela CLT.

Tanto as causas quanto os impactos geralmente são os mesmos que costumamos ver quando se trata de uma saída voluntária. Entretanto, embora tenha vantagens, esse tipo de turnover também merece atenção do RH para identificar possíveis melhorias que aprimorem o processo seletivo e ajude a reter mais funcionários.

Turnover disfuncional

Considerado um dos mais prejudiciais para uma empresa, o turnover disfuncional é quando ocorre a saída voluntária de profissionais com alto desempenho. Os motivos muitas vezes estão ligados a vários fatores diferentes como propostas de trabalho, questões familiares como saúde ou nascimento de um filho, por exemplo, ou até mesmo a falta de alinhamento com a cultura organizacional.

Nestes casos de rotatividade, o principal impacto acontece no capital humano da companhia, que fica comprometido. Mas, também há outros transtornos como queda de produtividade, desmotivação da equipe, custos com processo seletivo, recrutamento e treinamento do novo profissional, entre outros. Portanto, é preciso ter um RH estratégico para evitar ao máximo que esse turnover atinja altos índices.

4 medidas para reduzir o turnover na sua empresa

Afinal, como reduzir o turnover e evitar prejuízos e transtornos que uma alta rotatividade pode provocar na empresa? Começa tomando medidas básicas como as listadas a seguir.

Processo seletivo: Toda trajetória para melhorar a retenção de colaboradores deve começar ainda na fase de contratação. Afinal, quando a empresa consegue estabelecer um processo seletivo bem estruturado, e tem um sistema eficiente para seleção e triagem de currículos, ela evita erros na escolha do profissional.

Programas de capacitação: Muitas vezes negligenciada, a capacitação é uma das estratégias que podem melhorar o baixo desempenho dos colaboradores, e assim evitar a necessidade de substituição. Além disso, treinamentos e cursos também podem garantir uma gestão mais eficiente e aumento na produtividade.

Plano de carreira: Ter um plano de carreira eficaz e concreto, que não só funcione, mas que os colaboradores também vejam ele sendo colocado em prática é uma excelente forma de reter talentos. A medida ainda serve como um instrumento de engajamento da equipe em prol de um resultado que possa beneficiar a todos.

Pacote de benefícios: Por fim, oferecer benefícios atrativos que fujam do comum, e possam se diferenciar no mercado, ajuda muito na hora do colaborador fazer as contas, e ver se compensa mesmo ou não deixar a empresa por outra proposta.

Os benefícios de auxílio maternidade e paternidade, por exemplo, também diminuem o turnover voluntário por questões familiares, e ainda existem os benefícios voltados à saúde mental e financeira, que têm se sobressaído muito.

Como a Onze pode ajudar a controlar o turnover?

Mais do que um benefício, a Previdência Privada Corporativa é uma excelente alternativa para ajudar empresas que desejam saber como reduzir turnover. A solução, que ajuda o colaborador a controlar melhor suas finanças, e diminuir seu estresse financeiro, é oferecida pela Onze, gestora de investimentos com foco na saúde financeira do brasileiro.

Quer saber mais informações sobre a Previdência Privada Corporativa da Onze, entre em contato conosco e saiba como ela pode manter a rotatividade da sua empresa sob controle.