VGBL: entenda tudo sobre e veja se vale mais a pena que o PGBL

Por Redação Onze

VGBL

Levando em consideração o baixo rendimento da Previdência Social, cada vez mais investidores têm procurado saber sobre as alternativas de previdência privada disponíveis no Brasil, e é muito comum que surjam dúvidas sobre qual plano escolher.

Por isso, preparamos este conteúdo para tirar as principais dúvidas que você possa ter na hora de selecionar o plano de previdência privada ideal. Nele, mostraremos o que é VGBL, como funciona seu rendimento, quais as diferenças entre VGBL e PGBL, entre outras informações indispensáveis sobre o assunto. Continue a leitura para conferir!

O que é VGBL?

VGBL é a sigla para Vida Gerador de Benefícios Livre e consiste em uma das alternativas de previdência privada comercializadas no país. Semelhante ao seguro de vida, o VGBL oferece cobertura por sobrevivência. Portanto, é caracterizado na categoria de seguro de pessoas, embora não seja considerado um plano de previdência complementar.

A previdência privada é uma opção bastante viável para quem planeja construir um futuro mais tranquilo, considerando o baixo retorno da previdência social, aquela atrelada ao INSS e ao Governo Federal.

Uma das características mais marcantes do VGBL é que nessa categoria o Imposto de Renda incide somente sobre a rentabilidade acumulada.

SAIBA+ONZE: Previdência privada é aliada para uma aposentadoria tranquila

Como funciona o rendimento?

Primeiramente, é preciso escolher uma casa de investimentos com credibilidade no mercado e pesquisar os planos que ela tem a oferecer. Em geral, os planos oferecidos por instituições bancárias não são as melhores opções. Enquanto as plataformas de investimento independentes, na maioria das vezes, contam com alternativas mais vantajosas.

Depois, é preciso escolher entre VGBL ou PGBL. Lembrando que o VGBL é o plano mais indicado para quem planeja realizar sua transmissão para herdeiros. Já o PGBL, é mais apropriado para quem envia a declaração completa do IR e pretende pagar menos tributos. Sendo assim, é importante escolher um plano adequado ao seu perfil de investidor.

Por fim, você deve comparar as taxas administrativas. Fuja de opções que tenham taxas muito altas. Para isso, informe-se com a administradora para conhecer todos os planos de VGBL que ela tem a oferecer.

VGBL ou PGBL: entenda as diferenças

O Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) é comumente confundido com o VGBL, no entanto, ambos contam com características bem distintas. Por exemplo, o PGBL é mais indicado para investidores que fazem a declaração completa do IR.

Nessa opção, é possível deduzir até 12% de sua renda bruta do imposto (o capital acumulado no decorrer do ano no plano de previdência). Posteriormente, será cobrado um imposto sobre a renda recebida ou sobre o montante total resgatado, no ato do saque.

Enquanto o VGBL é indicado para quem é isento do Imposto de Renda e faz a declaração no formulário simplificado. Nessa categoria, só se deve pagar o imposto sobre o valor dos rendimentos, e não sobre o montante total acumulado.

Vantagens e desvantagens do VGBL

Agora que você já tem uma noção mais ampla sobre como funciona o VGBL, como ele se difere do PGBL, e como funciona sua rentabilidade, apresentaremos as principais vantagens de desvantagens dessa aplicação.

VantagensDesvantagens
ótima rentabilidade a longo prazo para quem não consegue juntar dinheiropossibilidade de pagar altas taxas administrativas, que incidem anualmente sobre o total aplicado
a tributação do IR só é cobrada sobre a rentabilidade da tributaçãohá uma taxa de carregamento, cobrada sobre cada contribuição
os recursos investidos não integram o inventário de espólio, sendo liberados com agilidade aos herdeirosausência de cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que, em caso de falência da instituição bancária, evita a perda do valor investido
isenção dos chamados “come-cotas”, que consiste na cobrança semestral de Imposto de Renda sobre o rendimento em outros tipos de fundos de investimentosao declarar o Imposto de Renda,os valores pagos não serão abatidos da base de cálculo

 

Tributação do VGBL

No plano VGBL existem três taxas: Imposto de Renda, de carregamento e de administração, sendo que as duas últimas são cobradas pela casa de investimentos ou pelo banco que você escolheu.

A taxa administrativa será cobrada uma vez ao ano, por meio de um percentual que incide sobre o valor total aplicado. Já a taxa de carregamento, deverá incidir sobre cada contribuição feita. Ou seja, sempre que você realizar um depósito em seu plano de investimento em VGBL.

Por fim, o Imposto de Renda será cobrado somente sobre a rentabilidade final da aplicação, e funciona conforme uma tabela que pode ser progressiva ou regressiva, ficando a seu critério optar pela mais adequada.

Caso você escolha a tabela regressiva, as alíquotas serão reduzidas à medida que o dinheiro for permanecendo mais tempo aplicado. Para que você entenda melhor, veja como funciona na prática:

  • Até dois anos: 35%.
  • De dois a quatro anos: 30%.
  • De quatro a seis anos: 25%.
  • De seis a oito anos: 20%.
  • De oito a dez anos: 15%.
  • Acima de dez anos: 10%.

No caso da tabela progressiva, ocorre ao contrário. Isso significa que as alíquotas aumentarão, sem ligação com o prazo, mas sim com o total investido anualmente. Como no seguinte exemplo:

  • Até R$ 22.847,76 no fim de um ano: isento de Imposto de Renda.
  • Do valor anterior até, R$ 33.919,80: 7,5%.
  • De R$ 33.919,92 até R$ 45.012,60: 15%.
  • De R$ 45.012,72 até R$ 55.976,16: 22,5%.
  • Acima de R$ 55.976,16: 27,5%.

Período de resgate do VGBL

Como em qualquer plano de previdência privada, um prazo mínimo de carência será definido em contrato. Esse será o tempo mínimo que o investidor deverá esperar até que possa resgatar ou recorrer ao direito de portabilidade, que consiste na possibilidade de transferência de títulos para outro banco ou administradora.

O prazo será fixado pela instituição responsável pela comercialização do título, sendo:

  • No máximo: 24 meses para as operações de resgate;
  • No mínimo: 60 dias para as operações de resgate.

Tratando-se de portabilidade, ela poderá ser solicitada a partir do 61º dia após a contratação.

Portabilidade do VGBL

No plano de previdência privada VGBL, a portabilidade é permitida, como foi dito no tópico anterior. Contudo, é necessário que ela respeite alguns critérios. Primeiro, o tipo de plano não pode ser alterado, como de um PGBL para um VGBL, por exemplo.

Também é preciso respeitar o prazo de carência determinado pela instituição bancária. Nesse processo de portabilidade, não ocorrerá incidência do Imposto de Renda. O que ocorre é somente a transferência da aplicação para outro banco ou administradora.

Além disso, a tabela de incidência do IR não pode ser trocada. Ou seja, mesmo com a portabilidade, se a escolhida foi a progressiva, você deverá permanecer com a mesma modalidade de incidência do Imposto de Renda.

Vale a pena?

Como você pôde contemplar até aqui, o VGBL é considerado um plano de investimento de longo prazo. Significa que é uma ótima alternativa para quem tem um planejamento sucessório (deseja já definir seus herdeiros). Além disso, há a vantagem de que o capital aplicado no VGBL não compõe o inventário, sendo assim, o processo de resgate é muito mais rápido e simples.

Para concluirmos, vale a pena destacar que o VGBL também é bastante benéfico para os trabalhadores que já têm contribuído para o INSS ou para alguma instituição que trabalham ou regime próprio de previdência.

O nosso artigo foi útil para sanar suas dúvidas sobre VGBL? Agora você consegue escolher entre VGBL ou PGBL? Então, que tal se manter atualizado sobre as maiores novidades sobre o mercado de investimentos, acompanhando as nossas postagens semanais?