PGBL: previdência privada explicada em detalhes

Por Redação Onze

PGBL

PGBL é o modelo de previdência privada mais indicado para quem faz a declaração completa do Imposto de Renda. Isso acontece porque o PGBL permite abater até 12% da renda tributável anual em aportes na previdência.

Mas você conhece todos os detalhes que envolvem esse investimento, como taxas, tributação e portabilidade? Neste artigo, você vai entender como o PGBL funciona, quais são as suas principais características e para quem ele é indicado.

PGBL: como funciona?

PGBL é a sigla para Plano Gerador de Benefício Livre. É um modelo de previdência privada, ao lado do VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre).

Para entender como o PGBL funciona e compreender suas diferenças em relação ao VGBL, é preciso analisar antes como funciona a previdência privada.

Também chamados de previdência complementar, esses planos são investimentos voltados à acumulação de capital durante um período, para aproveitar os rendimentos no futuro.

Eles são úteis especialmente para quem não está satisfeito com o teto da previdência pública e deseja uma renda complementar na sua aposentadoria.

Em alguns casos, no entanto, a previdência privada é procurada por quem tem projetos futuros e está interessado nos benefícios fiscais dos planos. Pode ser o caso, por exemplo, de um investidor que deseja financiar a faculdade de um filho que acabou de nascer e vê na previdência privada uma opção interessante.

Os planos de previdência privada (PGBL ou VGBL) funcionam da mesma maneira: você faz aportes mensais e acumula dinheiro durante sua idade economicamente ativa, para acessar o montante acumulado na idade de se aposentar, que é definida previamente.

Nessa hora, você pode escolher entre sacar todo o valor acumulado ou receber um valor mensal na sua conta, correspondente ao que foi poupado.

O PGBL e o VGBL são os dois planos de previdência que existem no Brasil e se assemelham em muitos aspectos. 

As principais diferenças estão no regime de tributação. Enquanto o PGBL permite abater até 12% da renda tributável anual no Imposto de Renda para quem faz a declaração completa, o VGBL não oferece essa vantagem.

Por outro lado, o Imposto de Renda do PGBL incide sobre o valor total acumulado, enquanto o Imposto de Renda do VGBL incide apenas sobre os rendimentos da aplicação.

Percebe-se, portanto, que o PGBL oferece benefícios fiscais na fase de acumulação – para quem faz declaração completa –, enquanto o VGBL tem seus benefícios fiscais voltados à fase de aproveitar os valores economizados. 

A seguir, vamos explicar para quem o PGBL é recomendado. Mas, antes, vale a pena citar suas principais características.

Principais características do PGBL

Conheça as principais características do PGBL:

Acumulação

O sistema de acumulação da previdência privada é o mesmo no PGBL e no VGBL: você economiza durante a fase economicamente ativa da sua vida, enquanto o plano contratado aplica os valores em investimentos que podem variar da renda fixa à renda variável, de acordo com o perfil do plano contratado.

Resgate

Ao chegar à idade de se aposentar, você tem direito a resgatar os valores aplicados e o seu respectivo rendimento. Isso pode ocorrer por meio de um saque único do valor total ou por meio de pagamentos mensais, funcionando de fato como uma aposentadoria complementar.

Tributação

Há duas formas de tributação no PGBL: a tabela regressiva ou a progressiva. Para quem está focado no longo prazo, a melhor opção é a tabela regressiva, porque, quanto mais tempo aplicado, menor é o imposto. Depois de dez anos de investimento, a taxa cai a 10%, a menor entre os investimentos disponíveis no Brasil.

Imposto de Renda

No PGBL, o Imposto de Renda é cobrado no momento do saque dos valores e incide sobre o total acumulado. A vantagem é que, durante a fase de acumulação, você consegue abater os aportes no PGBL da renda tributável anual, em até 12%.

Portabilidade

A portabilidade do PGBL é garantida, mas você não pode mudar entre os tipos de plano (PGBL e VGBL), nem trocar o sistema de tributação (tabela progressiva ou regressiva). De qualquer forma, essa é uma grande vantagem dos planos de previdência privada, já que, em outros tipos de investimento, como fundos de renda fixa, você paga o Imposto de Renda no momento de transferir recursos de um fundo para outro.

Taxas

As principais taxas do PGBL são a taxa de administração, cobrada anualmente para remunerar os gestores que aplicam o dinheiro, e a taxa de carregamento, cobrada em cada aporte executado.

Sem come-cotas

Outra vantagem da previdência privada é a não incidência de come-cotas, uma cobrança semestral antecipada do Imposto de Renda. Esse tipo de custo é comum em fundos multimercados, por exemplo.

PGBL: para quem é recomendado?

Há um consenso entre analistas, investidores e especialistas em previdência privada: na comparação entre o PGBL e o VGBL, o primeiro é indicado para quem faz a declaração completa do Imposto de Renda, porque o seu benefício fiscal ocorre na etapa de acumulação do patrimônio, quando é possível abater até 12% da renda tributável anual em aportes no plano.

Já o VGBL é mais indicado para quem faz a declaração simplificada, porque o benefício fiscal ocorre no momento dos saques.

A previdência privada costuma ser indicada para investidores de classe média alta, pelo menos, que estão interessados em uma aposentadoria tranquila e confortável.

Por ser uma excelente maneira de poupar para o futuro, a previdência privada também é indicada para quem tem projetos de longo prazo, em um horizonte de tempo superior a 20 anos, como comprar uma casa ou financiar a faculdade de um filho.

O PGBL não é indicado para quem tem objetivos de curto prazo, porque a tributação e os custos inviabilizam o investimento e reduzem os ganhos com o investimento.

Na hora de escolher, uma das principais recomendações é buscar o auxílio de profissionais preparados e especializados no assunto, para reduzir os riscos de erro. 

Com a ajuda profissional, você garante um futuro tranquilo e toma a decisão que faz mais sentido para a sua necessidade.