Salário direto é suficiente para atrair e reter talentos? Veja a resposta!

Por Redação Onze

salário direto

Independentemente de atuar há muito ou pouco tempo na área de Recursos Humanos, certamente você já sabe a diferença entre salário bruto e salário líquido. Afinal, essa é uma visão que qualquer profissional passa a ter depois que assina sua carteira. Mas e as demais denominações?

Salário direto, salário indireto, fixo, variável… Embora esses termos apontem para a mesma direção, nem todos correspondem à mesma coisa.

Neste artigo, apresentamos mais informações sobre o conceito do salário direto e como isso funciona no universo de gestão de pessoas. Vamos lá?



Salário direto e outros tipos de salário

Antes de iniciar sua jornada em uma empresa, todo profissional passa por etapas de entrevistas e definições de cargos e salários. Essa é uma maneira de alinhar as expectativas tanto do candidato quanto da própria companhia. Entretanto, se engana quem pensa que o salário se resume a apenas um número.

Talvez no passado fosse assim, apenas a quantia depositada na conta fizesse a diferença na escolha de uma oportunidade. Hoje, porém, há muito mais em jogo na hora do tão esperado sim. Veja abaixo quais são os tipos de salários:

Salário direto

O salário direto nada mais é que o valor negociado entre colaborador e empregador no momento da proposta de emprego. Ou seja, é a quantia que é registrada no contrato e a qual o profissional tem direito a receber pelo período em que trabalhar naquele local.

O salário direto também é chamado de salário bruto ou salário base. Ele recebe esse nome porque serve como base para todos os cálculos trabalhistas, em especial aqueles definidos pela legislação trabalhista.

Embora as empresas tenham flexibilidade para definir o salário base, isso acontece a partir de alguns fatores. Entre eles estão:

Salário líquido

Enquanto o salário direto é a quantia ofertada na proposta de emprego, o salário líquido é o valor que o profissional recebe, de fato. Ele é definido após todos os descontos obrigatórios e demais benefícios apresentados em folha.

Salário indireto

No começo desse texto nós dissemos que salário não é só a quantia ofertada. Aqui, nós explicamos o que isso significa.

Tudo o que é oferecido ao colaborador de maneira extra, ou seja, não prevista pela legislação, é considerado salário indireto. Isso consiste, basicamente, nos benefícios. Entre os exemplos estão assistências médicas e odontológicas, planos de previdência e bolsas de estudo, todas elas tendências de benefícios bastante aderidas pelas empresas atualmente.

Além dessas três modalidades de salários podemos citar ainda o salário mínimo, que é a mínima remuneração estabelecida pela lei, e o variável, normalmente usado em times comerciais.

Como criar um plano de benefícios que atraia profissionais para a sua empresa

No futuro do trabalho já não cabe apenas o salário direto. Uma empresa atraente é aquela que oferece remuneração e benefícios condizentes com as necessidades e expectativas dos colaboradores e que é compatível com o próprio mercado e momento social. Por isso, elaborar sistemas de remuneração que englobem salário e benefícios é fundamental para atrair e reter talentos para a sua empresa.

Veja algumas dicas:

Conheça o seu time

Nenhum passo deve ser anterior a esse. Uma empresa que não conhece seu time é incapaz de levar boas ideias a ele. Por isso, entenda quem é o seu colaborador e quais são suas necessidades e expectativas.

Conheça a sua empresa

Todos os benefícios devem ser compatíveis com a cultura da empresa. Não adianta, por exemplo, oferecer home office se a política interna exige que o colaborador esteja todos os dias no escritório. Além disso, uma empresa que conhece e comunica seus valores automaticamente os transparece para seus colaboradores atuais e futuros, fazendo com que as expectativas estejam alinhadas.

Faça um benchmark

O mercado está cheio de boas ideias. Uma maneira de entender como as empresas têm se posicionado e o que tem agradado aos profissionais é olhar para as premiadas no Great Place to Work. Normalmente essas companhias oferecem benefícios atraentes e que são valorizados pelo colaborador.

Mire o futuro

O mercado está em constante transformação. O mesmo deve acontecer com os benefícios. Olhar para as tendências que surgem e como elas podem ser absorvidas pelo seu negócio é fundamental para se manter sempre atual e relevante. Além disso, também é possível usar os benefícios em favor de uma estratégia interna, como no desenvolvimento profissional.

Tenha uma comunicação eficaz

Se você fizer a lição de casa corretamente, as chances de sucesso para atrair e reter o time serão grandes. Mas de nada adianta fazer tudo isso e não comunicar, não é?

Hoje muitos profissionais já valorizam mais os benefícios que a própria remuneração ou, pelo menos, avaliam as empresas a partir do que elas oferecem paralelamente. Por isso, informar essas vantagens ao mercado e candidatos é uma maneira gratuita de fazer publicidade para a empresa.

Sobre a Onze

A Onze é a primeira fintech focada em previdência e saúde financeira para colaboradores. Mas além disso, ela também é focada no desenvolvimento da gestão de colaboradores. Se você quer receber dicas para auxiliar em sua rotina de trabalho, assine nossa newsletter com dicas para o RH.